Facebook quer levar web a regiões pobres com drones à energia solar

A ação faz parte da iniciativa Internet.org

Mark Zuckerberg, diretor-executivo do Facebook, anunciou nesta quinta-feira (27) que a companhia quer levar internet a regiões sem acesso com drones (veículos aéreos não-tripulados) alimentados por energia solar. A ação faz parte da iniciativa Internet.org ? um convênio de empresas de tecnologia que querem propagar o acesso à rede mundial de computadores.

"Em áreas suburbanas e com limitações geográficas, nós temos trabalhado com drones de alta altitude e que podem voar por meses", diz o anúncio da companhia. Segundo a empresa, a implantação dessa tecnologia é rápida e poderia fornecer conexão confiável.

Além disso, para áreas com menos densidade populacional, a companhia diz que tem trabalhado em soluções que envolvem satélites.


 Facebook quer levar web a regiões pobres com drones movidos à energia solar

Para tornar isso viável, diz Zuckerberg, a empresa contratou especialistas em voos de longa duração e alta altitude de uma empresa britânica chamada Ascenta e profissionais da Nasa, agência espacial do governo dos Estados Unidos.

Em 2013, o Google anunciou que estava testando levar acesso à internet para lugares longínquos com balões.

O Internet.org é um projeto que envolve Facebook, Samsung, Qualcomm, MediaTek, Nokia e a Opera Software. O objetivo é achar soluções para conectar os 5 bilhões de pessoas que ainda não têm acesso à rede.

Outras iniciativas

Durante o Mobile World Congress 2014 (evento de tecnologias móveis realizado em Barcelona, na Espanha), o Facebook anunciou a criação de um laboratório para testar serviços e dispositivos de rede em condições adversas.

Uma das finalidades desse laboratório é fazer com que os desenvolvedores de aplicativos pensem em aplicativos que funcionem em locais com fraca infraestrutura de rede.Foi, inclusive, anunciado que seria instalada uma rede 2G no campus do Facebook, na Califórnia (EUA).

Outro projeto encabeçado pelo Internet.org é a criação de um serviço "190 da internet". A ideia é que haja alguns serviços gratuitos para acessar a rede, como plataformas de mensagem, a Wikipedia e informações sobre previsão do tempo, por exemplo.

Fonte: UOL