Loja virtual diz que cliente é "mal comida" e depois pede desculpas

Loja virtual diz que cliente é "mal comida" e depois pede desculpas

Troca de mensagens entre consumidora e o atendimento da loja ganho repercussão.

Nina Gazire entrou em contato com o atendimento da loja virtual Visou por meio da página da empresa no Facebook para reclamar do atraso na entrega de um pedido feito em julho.

A resposta da empresa, que não oferecia outros canais de atendimento em seu site, surpreendeu. Em um trecho da conversa que está circulando no Facebook, a loja responde a mensagem com uma série de xingamentos e palavrões. "Domingo à noite e você na internet? Não tem um macho para te comer não?", foi uma das respostas da loja à consumidora (veja a íntegra ao lado). A empresa afirma ainda que "não vai mandar merda nenhuma" e continua a série de xingamentos

Com a repercussão negativa do caso nas redes, diversos consumidores postaram mensagens de protesto na página da empresa no Facebook, que identificava os jovens Tatyele Lopes, Richard Ferrari e Natasha Souto, do Rio de Janeiro, como os donos do negócio. Com os dados, os internautas identificaram o endereço, telefone e até os dados de parentes dos proprietários.

Na manhã de hoje a empresa publicou uma mensagem na sua página no Facebook que dizia: "Um Welcome especial a todos da HN! Cheers". Até as 12h45 a mensagem registrava 895 comentários, a maioria de consumidores revoltados com a postura da empresa.

Às 13h, a empresa publicou uma carta de retratação (veja ao lado), na qual Guilherme Souza Castro, funcionário da empresa, se diz responsável pelas mensagens enviadas e pede desculpas "pela atitude de causar desconfortos verbais e informação inverídica ocorrida no dia 9 do mês de setembro de 2012". Ele esclarece que o reembolso do pedido foi feito no mesmo dia e diz que atos como esse não se repetirão "agi fora de minha razão", diz a nota.

No início da tarde o perfil no Facebook da consumidora Nina Gaziri exibia a cópia de um pedido de desculpas enviado pela empresa. Na mensagem, Natasha, uma das proprietárias da loja, se diz chateada e constrangida com o caso e afirma que o responsávél pelo envio dos palavroes e xingamentos foi um funcionário contratado pela loja para cuidar das redes sociais.

A proprietária da loja virtual afirma que nas últimas semanas ela e o sócio Richard estiveram distantes da operação por causa de mudanças estruturais e, por isso, deixaram um funcionário responsável pelo atendimento. "Infelizmente não contávamos com esse despreparo, se assim podemos chamar, do rapaz", diz um trecho.

Natasha diz que ela e Richard abriram a loja virtual há dois anos por causa de uma doença de seus irmãos gêmeos, Iuri e Breno, que teriam esclerose lateral amiotrófica. "Não somos "PAItrocinados" como muitos jovens de 20 anos por aí, e pagamos cada grão de arroz que consumimos diariamente". "Não é justo pagarmos pelo erro de um playboy que só aceitou o emprego para pagar suas tatuagens."

Ela diz ter demitido o funcionário responsável pelo atendimento e não ter condições de tomar conta da página porque se desdobra diariamente entre "banco-hospital-correio-escritório-casa". "Não é nossa baladinha de sexta que está comprometida, mas sim o rilutek dos nossos irmãos."

A carta termina pedindo que a cliente reconsidere a situação e oferece um gift card para que Nina volte a comprar no site.

Época NEGÓCIOS procurou os responsáveis pela loja, mas até a publicação desta nota, não obteve resposta. A loja virtual da Visou saiu do ar na manhã de hoje. A página exibe apenas um e-mail de contato e avisa que está em manutenção.


Loja virtual diz que cliente é

Loja virtual diz que cliente é

Fonte: http://epocanegocios.globo.com