Atenção!Malware atrai vítimas com vaga de trabalho no LinkedIn

Atenção!Malware atrai vítimas com vaga de trabalho no LinkedIn

Malware atrai vítimas com vagas de trabalho no LinkedIn; fique de olho

Um relatório da empresa de segurança BitDefender aponta que perfis duvidosos que atraem usuários oferecendo falsas vagas de trabalho estão se espalhando em um ritmo mais rápido no LinkedIn. São anúncios em inglês sobre vagas para tradutor de qualquer nacionalidade que tentam somar cliques para coletar informações pessoais como e-mails e senhas para serem usados em golpes.

As supostas vagas exigem somente que o usuário fale inglês e qualquer outra língua, apelando para frases como "Não importa a língua que você fala, desde que fale Inglês e pelo menos uma outra língua, há uma infinidade de empregos disponíveis para você"; além de linguagens típicas de golpistas na rede, como "Não precisa de experiência" ou "Trabalhe em casa", comuns em golpes offline.

Só no Brasil há mais de 15 milhões de usuários ativos do LinkedIn, boa parte tem o inglês como segunda língua. Como essa é a realidade da maioria dos usuários participantes do LinkedIn, o golpe pretende alcançar o maior número de pessoas oferecendo vagas de tradução na língua mais popular.

Se você tem perfil na rede social profissional, vale ficar atento para as seguintes dicas:

1) Pesquise que são os contatos que adicionam você na rede antes de aceitar convites, verificando se você compartilha conexões com a pessoa;

2) Não pague antecipadamente por cadastros em oferta de empregos, pois essa é a tática usada por fraudadores na Internet;

3) Pesquise se a imagem usada no perfil de um suposto recrutador não está sendo usada com outros nomes em grupos do LinkedIn;

4) Seja cauteloso ao postar em grupos na rede social, pois é lá que golpistas utilizam sua engenharia social para obter informações sobre você com o objetivo de criar golpes mais elaborados e também certeiros;

5) Use um "desencurtador" de URL para identificar o site antes de clicar, pois é dessa forma que golpistas levam usuários para páginas maliciosas na Internet.

Fonte: tech tudo