Loja oferece Galaxy S3 por R$ 1 mil e enfrenta reclamações de clientes

A empresa acumula queixas no Reclame Aqui e no Procon, acusada de não entregar os produtos no prazo prometido: 60 dias úteis.

A loja virtual Neon Eletro está enfrentando severas críticas de consumidores de diversos Estados no Brasil. Oferecendo produtos com tecnologia de ponta pela metade do preço original, como o smartphone Galaxy S3 e o iPhone 5, a empresa acumula queixas no Reclame Aqui e no Procon, acusada de não entregar os produtos no prazo prometido: 60 dias úteis.


Neon Eletro oferece Galaxy S3 por R$ 1 mil e enfrenta reclamações de clientes

O caso seria mais um dentre os milhares de sites duvidosos na Internet se não fosse por um detalhe: a loja anuncia em programas de TV, como Ratinho e Eliana, ambos no SBT, e também tem links de publicidade em outros portais da Internet.

Segundo as regras do site, a compra normalmente é marcada para entrega em 60 dias úteis, justificando o prazo grande pelo preço baixo. No entanto, muitos consumidores sofreram atrasos na compra e alguns ainda não receberam os produtos, se sentindo lesados pela empresa responsável pela transação. O volume é tão grande que existe até uma fanpage no Facebook, com mais de dois mil participantes reclamando dos atrasos.

"Não acho que são falhas de entregas, mas sim uma maneira da Neon Eletro coletar dinheiro e, com o grande prazo, investir e, após alguns ganhos, devolver o valor integral sem juros e outros direitos", afirma o analista administrativo Lucca Sartori, de 26 anos. Ele faz parte da comunidade no Facebook "Neon Eletro - www.neoneletro.com.br Golpistas" e diz que as compras por esses sites não valem a pena. "O pessoal tem a coragem de dizer que o iPhone 5 chega em casa depois de pagar a taxa da alfândega", explica o analista, expondo problemas no comércio da página.

No Facebook, o usuário chamado Danilo Firmiano disse que comprou uma TV Sony Bravia em novembro de 2012 e recebeu o produto só 65 dias depois. Ele chegou a entrar na página de reclamação da Neon Eletro, mas depois postou uma mensagem afirmando que recebeu a televisão. "Curti essa pagina porque o atendimento da Neon é péssimo e estava com receio de ter sido enganado", afirmou o cliente, na rede social.

Outra usuária na mesma fanpage, no entanto, faz mais reclamações à empresa. "É uma furada, pegam o nosso dinheiro, nos fazem ficar 80 dias úteis esperando e nada", diz Daniela Araujo Cheio. A usuária diz que a Neon Eletro se justificou pelos "problemas nos lotes de entrega" que pediram desculpas por atrasar a transação.

O diretor jurídico da Neon Eletro, Marcos Araújo, afirmou em uma entrevista ao TechTudo que a empresa utiliza um sistema de comércio chamado "drop shipping". O sistema também é usado por sites como o Compre da China, que oferece produtos com preços abaixo da média ou por valores promocionais. "A empresa tem 100 funcionários e nossos clientes estão sim crescendo", disse Araújo, defendendo o modelo de negócio.

Para ele, a Neon Eletro só é criticada porque se trata de um comércio feito exclusivamente pela internet. "Esses problemas são como brigas de casal. Há reclamações das Lojas Americanas, mas como a loja deles é física, as pessoas confiam mais", completou.

O diretor afirma que a Neon Eletro reconhece atrasos na entrega, mas que a maioria dos clientes não entende que são 60 dias úteis para completar a comercialização, e não 60 dias corridos. "Se alguém pede o dinheiro de volta ou entra com pedido no Procon, devolvemos imediatamente", afirmou o diretor jurídico, que disse ter sete pessoas do seu departamento encarregadas dos processos que a empresa sofre.

Importação traz preços mais baratos

Em entrevistas com o SAC da empresa, o site Gizmodo disse que a empresa consegue comprar até mil iPhones para obter abatimentos de custos, fazendo com que o modelo mais recente, o iPhone 5, chegasse a ser comercializado por R$ 1 mil. A dúvida, no entanto, é que o preço do celular desbloqueado com 16 GB de memória é de US$ 649, um preço inferior ao do próprio iPhone comercializado nos EUA. O Galaxy S3 se encontra no mesmo patamar de preço, o que tornaria o modelo vendido pela loja brasileira mais barato do que no exterior.

De acordo com a Neon Eletro, o preço baixo é possível graças às negociações diretas com os fornecedores. O problema está na questão tributária. Negócios tipo drop shipping podem driblar pagamentos de impostos e de outros encargos dos produtos. E mesmo que a Neon Eletro encomende uma quantidade grande de produtos que demorem para chegar, o que resulta em reclamações, não está claro se a empresa paga os tributos dos produtos.

"Há falta de logística e entrega nessas vendas em 60 dias úteis. O site também está oferecendo um preço abaixo da fabricação. Cabe ao Ministério Público fazer uma investigação sobre essa loja", disse o consultor financeiro e advogado Dori Boucault.

Segundo o especialista, casos semelhantes já aconteceram com sites que não finalizavam entregas no Brasil todo. Na ocasião, a Justiça determinou que o negócio ficasse fora do ar até que os problemas de logística fossem resolvidos. Além disso, em março a Receita Federal de Bauru chegou a apreender R$ 492 mil em produtos na sede da Neon Eletro, como informou o jornal Comércio de Jahu. Segundo a publicação, havia documentos incompletos sobre os produtos importados e a empresa pode perdê-los se não conseguir comprovar legalmente sua origem.

Fonte: tech tudo