Poderes se unem na criação de um polo de tecnologia no Piauí

Atendendo aos anseios desenvolvimentistas da atual gestão

Atendendo aos anseios desenvolvimentistas da atual gestão, o I Fórum de Tecnologia, Inovação e Ciência do Piauí (FORTICs) foi encerrado na noite do último sábado (26).

Congregando para o fortalecimento da pesquisa e dos estudos voltados para o setor, o presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa (Fapepi), Francisco Guedes, corroborou para a importância do diálogo construído em prol de um Marco Regulatório que possibilite maiores investimentos empresariais no Estado, a partir de um Polo de Tecnologia.

O evento que contou com a participação de diversas autoridades, contemplou a atenção de professores e empresários ligados à área, nisso, Guedes apresentou uma análise realizada pela entidade do projeto de lei que institui o Código Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação.

O objetivo com o diálogo é apontar diretrizes condizentes com a realidade piauiense, alçando-o a um novo patamar no país. “Essa é a contribuição da Fapepi para que tudo o que foi discutido e proposto aqui no FORTIC’s tenha uma continuidade.

É preciso fortalecer essa articulação entre governo, academia, institutos de pesquisa e o setor empresarial. Por isso propomos a criação de um comitê técnico com representantes de todas as esferas que estiveram presentes para que, em um prazo de 60 dias, possamos apresentar uma proposta de lei da Ciência, Tecnologia e Inovação para o Piauí”, comentou.

Em tal estreitamento, a nota técnica é embasada na Lei de Inovação Tecnológica Piauiense, contemplando uma proposição específica para o Piauí. Nesse âmbito, o presidente da Fapepi fez uma avaliação positiva da primeira edição do Fórum, demandando o diálogo em torno das palestras proferidas.

A união entre os poderes público e privado, mediante a consecução de parcerias, foi amplificado pelos empresários que integraram a iniciativa. Demandando o discurso sobre a importância do apoio governista na ação, demandando a descentralização dos centros de pesquisa. Fator apontado como primordial na criação de um polo de tecnologia.

Nisso, Parnaíba desponta como uma importante cidade para o desenvolvimento da ciência; a exemplo do que ocorre com o Porto Digital de Recife, que é um parque tecnológico urbano criado há quase 15 anos, reunindo 250 empresas ao redor do centro histórico que foi totalmente revitalizado para esse propósito, através de parcerias público-privadas.

FORTALECIMENTO – O evento contou com a participação do ex-ministro Reis Velloso; na ocasião foi inaugurada a primeira escola de robótica que também corrobora no fortalecimento do projeto envolvendo a expansão da ciência e tecnologia no Piauí.

Fonte: Francy Teixeira