Rede Social sofre desvalorização após um ano com ações na bolsa Nasdaq

Empresa completa 1 ano na bolsa de valores Nasdaq


Rede social Facebook tem desvalorização após um ano na Nasdaq
Há um ano, o Facebook ingressava no mercado de ações The Nasdaq. No primeiro dia, a plataforma de negociação do Facebook, The Nasdaq, teve vários problemas técnicos. Vários bancos foram acusados ​​de ter escondido nos dias anteriores dados sobre o desempenho financeiro do grupo, em detrimento dos pequenos investidores. Então, os valores das ações despencou, atingindo US$ 17,73 em setembro. Sua ação, que encerrou nesta quarta-feira, dia 15, ficou em US$ 26,60. O valor tem variado entre US$ 25 e 28. No entanto, permanece bastante inferior ao seu preço de lançamento de US$ 38.

Novas receitas

Porém, as dúvidas persistem sobre sua capacidade para manter-se com rentabilidade no mercado de ações. Hoje, o Facebook tem dissipado algumas das preocupações para conseguir gerar 30% de sua receita de publicidade no ambiente móvel. No entanto, novos medos surgem, de forma que a rede social saem de moda, principalmente entre os jovens. "Não é legal", mas na verdade, as pessoas ainda precisam pertencer Facebook para manter-se com seus contatos, suas marcas e celebridades do seu gosto favoritas, disse Lou Kerner, analista da firma de Internet Fundo Social, que sempre foi otimista sobre as perspectivas do grupo.

Atualmente, a empresa tem conseguido melhorar suas atividades e publicidade em pequenas telas de telefones celulares, mostrando que tem a capacidade de ganhar dinheiro. O Facebook também parece ter ido além, buscando novos formatos de publicidade, investir pesado no seu mecanismo de busca interna, entre outros. Também modernizou seus principais produtos como o atual segmento onde os membros são informados sobre as atividades de seus contatos.

O Facebook ainda está evoluindo e vários produtos ainda estão em um estágio inicial de desenvolvimento", disse Nicholas, Landell-Mills, analista da Indigo Equity Research, que disse que é difícil avaliar se os preços atuais são títulos justificados .

Fonte: Terra, www.terra.com.br