Serviço de internet sem fio ainda é raro em voos brasileiros; saiba

O maior impedimento para que a internet em voos se popularize é o alto custo da tecnologia envolvida

O acesso a redes online ainda é uma alternativa rara na aviação brasileira. Somente a Tam oferece serviço desse tipo, mas de forma restrita a celulares. Em contrapartida, a Gol dispõe de uma rede de intranet com conteúdo limitado. As demais companhias aéreas nacionais não têm previsão de implantação de recursos semelhantes. Uma coisa não mudou, no entanto: os aparelhos precisam permanecer desligados durante os pousos e as decolagens.


Serviço de internet sem fio ainda é raro em voos brasileiros

O maior impedimento para que a internet em voos se popularize é o alto custo da tecnologia envolvida. Professor no Centro de Ciências Exatas, Ambientais e de Tecnologias da PUC-Campinas, Omar Branquinho ressalta que esse tipo de serviço requer estruturas sofisticadas, pois engloba uma base em terra, um receptor na aeronave e um satélite. Segundo o pesquisador, no caso da Tam, os dados são passados do aparelho para um satélite que, por sua vez, são repassados para uma estrutura terrestre. No caso de voos internacionais, isso é possível porque os satélites se movimentam, podendo acompanhar o deslocamento do avião.

De acordo com a companhia aérea, a transmissão ocorre por meio da tecnologia GSM, que envia dados por frequência de rádio. Esse sistema é encontrado apenas em aparelhos celulares, motivo pelo qual tablets e computadores não têm acesso ao serviço. A empresa não cobra taxas para a utilização da internet, mas o usuário precisa pagar roaming internacional à sua operadora de telefonia. Disponível em 41 aeronaves, o recurso também congrega o envio de SMS, além da realização de ligações telefônicas.

Gol oferece serviço de intranet com conteúdo próprio

No caso da Gol no Ar, a rede é restrita à plataforma produzida pela companhia aérea. Trata-se de uma opção de entretenimento gratuito que congrega conteúdos variados, como notícias, jogos e vídeos. Contudo, o passageiro não tem acesso a sites externos. Professor do departamento de Ciências da Computação da UFMG, Antônio Alfredo Ferreira Loureiro afirma que esse tipo de sistema é mais simples que a internet a bordo. Segundo ele, o serviço funciona por meio da comunicação entre estruturas computacionias no avião e em solo. Enquanto a primeira armazena o conteúdo completo e atualizado, a segunda o copia quando a aeronave pousa em algum dos aeroportos pré-determinados.

Atualmente, o serviço está disponível em 48 aviões, o que representa 40% dos voos da empresa. De acordo com a Gol, não há previsão de investimento em acesso à internet, somente em aprimoramento da sua intranet. A estimativa é de que o recurso seja expandido de 300 para 400 descolagens diárias até o final de 2012.

Fonte: Terra