38% dos brasileiros faz compras pelo smartphone, revela Google

Quase 38% dizem não se sentir seguros para realizar transações, o que impede que hábito cresça mais.

Pesquisa conduzida pelo Google em parceria com a Ipsos MediaCT estima que 14% da população brasileira possua um smartphone.


Um terço dos brasileiros faz compras pelo smartphone, diz Google

Utilizadas por 59% dos brasileiros que possuem um smartphone, as redes sociais são a categoria de serviço mais popular, seguidas de perto pelo e-mail (57%) e pelos mecanismos de pesquisa (55%). Pouco mais de 40% dos entrevistados disseram acessar a Internet por meio de seus dispositivos pelo uma vez por dia.

Um quarto dos consumidores ouvidos também afirmou que prefere ficar sem a TV a abrir mão do smartphone. Ele, porém, é mais valorizado como ferramenta de entretenimento do que de comunicação. Enquanto 92% o usam para tarefas como navegar na web, ouvir músicas ou jogar games, 86% disseram adotá-lo para interagir por redes sociais ou enviar e-mails. Três quartos costumam assistir vídeos no celular, apesar das pequenas telas.

Os dispositivos são populares na hora de fazer compras: 45% pesquisam sobre os produtos neles e depois os adquirem pelo computador e 30% agem de maneira semelhante, mas preferem fechar o negócio em uma loja física. Interessante notar que 31% optam por realizar a transação a partir do próprio aparelho.

Esse índice, aliás, tende a crescer, pois 38% dos usuários brasileiros pretendem fazer mais compras pelo dispositivo nos próximos meses. O que impede que o mesmo seja ainda maior é a falta de confiança: 34% afirmam que não usam o smartphone para adquirir produtos por não se sentirem seguros para tanto. Outros 15% dizem que ?é muito complicado?.

Segundo o estudo, 75% dos entrevistados iniciam uma pesquisa no celular após verem um anúncio em outra mídia, como TV e revistas. Quase metade, entretanto, não vai longe e não passa da primeira página da busca. Quanto à publicidade no celular, as mais notadas são as veiculadas em mecanismos de pesquisa (43%) e em sites (42%). Aplicativos aparecem bem atrás, com 31%.

Para a pesquisa, mil internautas brasileiros com idade entre 18 e 64 anos foram ouvidos durante os três primeiros meses deste ano.

Fonte: Uol-idgnow