Usuários criam página de apologia ao crime no Facebook

Usuários criam página de apologia ao crime no Facebook

Por conta de denúncias de usuários da própria rede social, algumas fotos da página que traziam imagens de policiais atingidos, já foram retiradas

Com mais de 67 milhões de usuários brasileiros, o Facebook ainda possui grandes falhas no controle das publicações. No último dia 26, a página ?TráficodosMorros? foi criada, reunindo 215 usuários, que falam de violência, uso de armas e de drogas livremente, sem se preocupar com a proteção da identidade.

Por conta de denúncias de usuários da própria rede social, algumas fotos da página que traziam imagens de policiais atingidos, já foram retiradas.

De acordo com o delegado Gilson Perdigão, titular da Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática (DRCI), a especializada vem investigando e retirando do ar páginas e perfis de pessoas que fazem apologia às drogas. Ainda segundo o policial, a delegacia vai oficiar a rede social para que a mesma informe os IPs utilizados para a criação das páginas, bem como o de todos aqueles perfis que tem trocado mensagens que fazem apologia às drogas. A DRCI esclarece que todas as pessoas que estiverem usando a internet para este fim, podem responder pelos crimes de apologia e associação para o tráfico.

Em nota, o Facebook afirmou que a prioridade do site é a segurança dos usuários e que a administração analisa os posts para reportar qualquer conteúdo ilegal. Devido à grande diversidade da rede social, o site reforça a importância da denúncia feita pelos próprios usuários.


Usuários criam página de apologia ao crime no Facebook

Um exemplo da atuação do Facebook foi o caso ocorrido em outubro do ano passado, quando os administradores da rede social chegaram à página de traficantes do Morro do Faz Quem Quer, em Rocha Miranda, no Subúrbio do RJ, e removeram o conteúdo ilegal.

Nas publicações, um dos criminosos, que se identificava como ?Dina Terro dos Policia?, mostrava fotos com fuzis e pistolas. Também nos posts, o traficante fazia ameaças a outras facções e fazia alusão ao crime organizado.

Fonte: tech tudo