Teresina sai na frente e realiza teste do olhinho em maternidades

É simples e pode salvar a visão de milhares de crianças logo nos primeiros dias de vida do bebê.

No Piauí, o teste do olhinho não é obrigatório, embora já exista um projeto de lei para permitir o acesso a toda a população. Existe em Teresina um exame que ainda não é obrigatório, mas já é realizado nas duas maiores maternidades da cidade.

É simples e pode salvar a visão de milhares de crianças logo nos primeiros dias de vida do bebê. A tecnologia existe, mas falta uma lei que garanta o acesso a toda a população.

Em alguns estados, o chamado teste do olhinho já é obrigatório. É um exame capaz de identificar sinais de doenças que se não forem tratadas o mais rapidamente possível podem levar à cegueira.

Segundo o oftalmologista de uma maternidade particular de Teresina, João Orlando, no Piauí já existe um projeto tramitando na Assembleia Legislativa, mas ainda não foi aprovado.

Mesmo com o Ministério da Saúde incentivando a realização do teste nas maternidades, é realizado apenas em bebês prematuros. João Orlando explica que é fundamental realizar o exame logo na primeira semana de vida do recém-nascido, já que consegue detectar se o bebê possui uma visão sub normal, que não dá para realizar as atividades normais de uma vida ou se o problema é mais sério, podendo levar a uma possível cegueira.


“O exame é simples e rápido. Em menos de um minuto, o médico consegue perceber se há algum problema, alguma doença nos olhos do bebê. No exame o oftalmologista irá detectar se o clarão pupilar está vermelho, se estiver a visão está normal, se essa cor se modificar em diretor dos tons de amarelo ou branco, já se detecta um problema que deve ser tratado”, explica o especialista.

Para os bebês prematuros o teste é ainda mais necessário, realizando um mapeamento da retina. João Orlando alerta que as crianças nascidas com o peso igual ou inferior a 1.500 gramas ou menos de 32 semanas devem realizar o teste obrigatoriamente.

“O exame da retinopatia da prematuridade é obrigatório, em uma maternidade particular de Teresina realizo esse teste toda semana. De cada 13% de bebês prematuros, 3% nascem com menos de 1500 gramas, sendo necessário fazer o mapeamento”, conta.

Arthur, com dois dias de vida, fez o teste já disponibilizado em uma maternidade particular de Teresina. A mãe Gilese Mendes deixou a maternidade aliviada.

“É sempre bom ter a certeza que seu filho nasceu saudável e sem nenhum problema, esse teste ajuda muito, já que ele é muito pequeno e mal consegue abrir os olhos”, comemora Gisele com o resultado em mãos.

O teste do olhinho já é obrigatório em estados como Rio Grande do Sul, São Paulo e Minas Gerais, mas a Sociedade Brasileira de Catarata defende a aprovação de uma lei que torne o exame obrigatório em todo o país.

Fonte: Jornal Meio Norte