Teresina sobe oito posições na geração de emprego no Brasil

Teresina sobe oito posições na geração de emprego no Brasil

No geral 3.390 novos emprego surgiram em setores diversos.

As últimas informações do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram dados interessantes. No segundo semestre de 2013, 76% dos trabalhadores do Brasil estavam empregados com carteira assinada.

Em relação ao Piauí, Teresina subiu oito posições no ranking das cidades que mais empregam no Brasil. Hoje, portanto, a capital assume a 16ª posição nesse sentido e boa parte trabalha formalizada.

No geral 3.390 novos emprego surgiram em setores diversos. Próximo a esse patamar está a Construção Civil, cujo crescimento se deve ao programa ?Minha Casa, Minha Vida?, do governo federal, às facilidades da classe média na obtenção de créditos imobiliários, e também à melhoria nos salários.

Com carteira assinada, os operários de uma obra localizada na zona leste deixaram de lado a antiga bicicleta e adotaram veículos para irem ao trabalho. A comprovação está nas dezenas de motos e carros estacionados nas proximidades da obra.

A mais recente aquisição do Sr. Antônio, ajudante de pedreiro, foi uma moto que, segundo ele, facilitou na ida e vinda ao trabalho. ?É mais rápido para vir ao serviço. Pago sem aperto R$ 220,00 por mês?, diz ele.

A comprovação da melhora no salário está no valor de R$ 1040,00 que é pago a pedreiros em diversas construtoras de Teresina, fora a gratificação que varia de R$ 700,00 a R$ 900,00. Já o ajudante de pedreiro ganha salário mínimo e gratificação, que varia conforme a produção. Carpinteiros e armadores possuem altos salários e gratificações melhores ainda. Em obras do Minha Casa, Minha Vida, alguns pedreiros e carpinteiros chegam a ganhar R$ 2000,00 mensais só de gratificação por conta das produções, fora o salário.

Fonte: Denison Duarte