Teresina tem mais de 3 mil ipês em espaços públicos, revela PMT

Ipê dá cor às ruas da cidade nesta época do ano

Uma unanimidade em Teresina é a beleza dos ipês que floram nesta época do ano e enchem de cor as ruas e praças da cidade. A expansão dessa espécie nativa foi fruto de um trabalho de distribuição de mudas e plantio realizado pela Prefeitura, iniciado há mais de 20 anos. Segundo a Coordenação de Arborização do município, mais de 3 mil ipês estão plantados em avenidas e praças, enchendo os olhos de quem transita por esses espaços.

Image title

Essa espécie é nativa, assim como o caneleiro, gonçalo-alves, oitis e jucá, que são distribuídos diariamente nos três viveiros de mudas mantidos pela Prefeitura. Também estão disponíveis à população mudas de plantas frutíferas, como manga, caju, ata, goiaba, acerola e carambola.

Cada pessoa pode levar para casa até 10 mudas. Basta ir até um dos viveiros e fazer um pequeno cadastro. A Coordenação de Arborização também disponibiliza mudas para entidades e associações de moradores. Para ter acesso, basta enviar ofício solicitando. Além disso, as mudas também são utilizadas na arborização de espaços públicos, em praças, parques e vias.

Juntos, os três viveiros produzem cerca de 15 mil mudas mensalmente. Dessas, uma média de 2 mil são doadas às pessoas que procuram para plantar em casa ou em sítio. No mês passado, 7 mil mudas foram doadas, distribuídas a entidades ou plantadas pela própria Prefeitura.

Image title

“Quem tiver interesse, pode procurar qualquer um dos viveiros e pegar até 10 mudas. Nós destinamos muitas delas também para entidades e associações de moradores. E fazemos um trabalho também de arborização da cidade usando essas mudas. Os viveiros estão abertos ao público de segunda a sexta, das 7h30 às 13h, e aos sábados, das 7h30 às 11h30”, afirma Clóvis Freitas Júnior, coordenador de Arborização.

Durante os meses do B-R-O-Bró, a quantidade de mudas disponibilizadas sofre uma queda. Clóvis Freitas Júnior explica que o período de estiagem dificulta a produção. Porém, em dezembro, essa produção será normalizada.

Fonte: Jornal Meio Norte