Teresinense poderá rastrear caminhões de lixo

Teresinense poderá rastrear caminhões de lixo

Via internet, a população poderá saber em tempo real a localização do veículo em seu bairro.

Mais uma ferramenta para facilitar o serviço de coleta lixo domiciliar foi implantada pela Prefeitura de Teresina. Trata-se de um sistema de rastreamento via satélite de todos os caminhões de coleta da cidade. Foram instalados aparelhos de GPS (Sistema de Posicionamento Global) nos 31 caminhões que atuam em Teresina. A população poderá conhecer a localização dos veículos acessando a página oficial da Prefeitura pelo link www.teresina.pi.gov.br.

Via internet, a população poderá saber em tempo real a localização do veículo em seu bairro e dessa forma programar de forma mais precisa o horário em que deverá colocar o lixo na porta de casa para ser coletado. A atualização da posição dos veículos é realizada a cada meia hora e o internauta terá acesso às seguintes informações: dia, hora e rua onde se encontra o caminhão. "O novo sistema de monitoramento foi uma determinação do prefeito Elmano Férrer para garantir a sociedade mais transparência e integração do teresinense com os serviços prestados pela Prefeitura", explica Wander Maia, coordenador de Limpeza Pública da cidade, acrescentando que em alguns bairros, cujas ruas não estão cadastradas no sistema Google Mapas, aparecerá apenas o nome do bairro na página de rastreamento.

O serviço de coleta de lixo domiciliar em Teresina é dividido em 42 circuitos, sendo que 21 são realizados durante o dia e a outra metade no turno da noite. Cada circuito corresponde a um perímetro urbano delimitado por onde o caminhão coletor passa três dias da semana intercalados em horários pré-determinados. Na região central e em pontos onde há grande produção de lixo a coleta é realizada diariamente durante a noite. "Mensalmente coleta-se cerca de 17 toneladas de resíduos sólidos em Teresina", comenta Wander.

NOVO ATERRO

Atualmente todo lixo coletado é destinado ao aterro controlado, onde é compactado e coberto com uma espessa camada de terra para evitar que os resíduos se espalhem e ainda exalem mau cheiro. Com o novo aterro que está em fase de construção esse processo de deposição ocorrerá de forma mais segura para o meio ambiente, tendo em vista que o lixo será depositado em valas impermeáveis, denominadas células, que impedirão a infiltração do chorume no solo e lençóis freáticos. "É justamente a impermeabilização que diferencia o aterro controlado do novo aterro sanitário", finaliza Wander Maia.

Fonte: www.teresina-pi-gov.com.br