Teresinenses cumprem sacrifícios em nome da fé durante a Semana Santa

Ao menos é o que pensa a publicitária Carolinne Paiva.

A penitência se constitui por uma série de atos, como jejuns, orações, esmolas, vigílias, peregrinações que os fiéis oferecem a Deus como prova de que estão arrependidos dos seus pecados.

O costume é praticado em diversos ramos do cristianismo com a finalidade de expiação dos pecados, tendo o significado de um sacrifício pessoal do fiel, pagando por um pecado cometido ou agradecendo uma graça recebida. Atualmente, as penitências são realizadas quando a pessoa sente a necessidade de se comunicar de forma direta com Deus, mais que por simples orações.

Ao menos é o que pensa a publicitária Carolinne Paiva. Determinada a agradecer a Deus por uma graça alcançada ainda no ano passado, ela, carnívora convicta, decidiu passar os 40 dias da Quaresma sem ingerir carne vermelha.

“Eu nunca tinha passado os 40 dias sem carne vermelha. E passei este ano, o que foi muito difícil. O pior que as pessoas não se privavam de comer perto de mim. Foi muito difícil, mas consegui”, conta Carolinne. Os agradecimentos pela graça foram além da carne vermelha e Carol decidiu que, a partir de agora, não beberá refrigerante sabor Cola durante a Quaresma.

“Isso para mim talvez seja até um pouco mais difícil do que não ter podido comer carne. O cheiro do refrigerante penetra em mim, sabe. Às vezes penso até que ponto ela me domina. Será mesmo que ela é mais forte que eu? E por vezes eu acho que sim, mas me provo, nesse período, que não é”, relata orgulhosamente.

Encontrar pessoas que abdicam de algo importante como forma de agradecer ou pedir algo a Deus não é difícil. A consultora de vendas Ana Karinne Vale também decidiu que não iria ingerir bebida alcoólica nem carne vermelha durante a Quaresma e assim o fez. “Sempre foi um desejo meu viver mais intensamente este período da Quaresma, tempo forte de meditação, oração, jejum.

Foi uma forma de me preparar melhor para a Páscoa, fortalecendo o espírito para que possa vencer as fraquezas da carne. Por isso decidi não ingerir bebida alcoólica e não comer carne vermelha”, relata.

Abdicar de um costume diário em nome da fé é uma tarefa difícil que, para a publicitária Carolinne Paiva, valeu a pena no final. “Interromper o hábito às vezes se torna algo torturante. E eu acho que nessas horas a gente enxerga as provações de Deus.

Hoje entendo que posso, sim, passar mais dias sem carne vermelha. Mas que é difícil e torturante, é sim. Salivei por várias vezes, não vou mentir. Mas a penitência é uma prova do meu agradecimento a Deus”, fala. E, no final das contas, mostrar agradecimento a Deus é o mais importante de tudo.

Fonte: Olegário Borges