Tirada com celular, foto "proibida" dentro de avião vira hit na internet

As companhias incentivam que os usuários enviem fotos via Instagram

Um movimento ganha corpo entre os passageiros frequentes de avião: o das fotos "proibidas", tiradas com o telefone celular durante o pouso e a decolagem -em que usar o aparelho não é permitido.

Essas imagens passaram a pulular no Instagram (rede social de fotos), seja na página dos próprios passageiros ou até na de empresas aéreas.

As companhias incentivam que os usuários enviem fotos via Instagram; a TAM divulga a hashtag #tamface e a Gol, a #voegol, por exemplo.

Mas afirmam que esse incentivo não vale para os momentos "proibidos" e que instruem comissários a pedir que os passageiros desliguem o celular quando preciso.

Fiscalizar o uso, porém, é quase impossível: na decolagem e no pouso, os comissários ficam sentados em seus lugares e com cinto atado.

O entorno dos aeroportos Santos Dumont (Rio) e Congonhas (SP) são os favoritos; o primeiro pelo Pão de Açúcar e pelas outras montanhas próximas, rente à baía da Guanabara. O segundo, pela cidade cercada por prédios.

"As paisagens dos pousos e das decolagens são as mais bonitas", diz Flávio Magalhães, 21. Em uma das imagens, ele registrou a Urca logo após a decolagem do Santos Dumont, em voo da Azul.

SELVA DE PEDRA

Carla (nome fictício), 27, diz o mesmo. Recentemente, postou uma imagem após o avião da TAM em que estava decolar de Congonhas, com nuvens pesadas e prédios. Batizou de "selva de pedra".

A preferência por decolagem e pouso se explica porque é quando o avião está mais perto do chão. Na fase de cruzeiro as companhias autorizam tirar fotos de celular -mas a paisagem, repleta de nuvens, é monótona, dizem os fotógrafos.

Em sua defesa, os usuários dizem registrar as imagens no modo avião, em que o celular (em tese) não emite sinal.

Os passageiros têm certa razão: dois dirigentes de companhia aérea disseram à Folha que o modo avião não tem influência a bordo. Na prática, trata-se de precaução.

NORMA

O problema é que uma regra da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) proíbe o uso na aproximação para pouso, no próprio pouso e na decolagem, e às empresas só cabe cumprir a determinação. Nos EUA, é igual.

A ameaça de interferência nas comunicações da aeronave acontece quando o celular está em modo convencional.

Ainda assim, segundo a Anac, o assunto não é tratado como questão de segurança: segundo a agência, se um aparelho for ligado e provocar interferência, o problema pode ser detectado e corrigido durante o voo.

Ao menos duas fotos suspeitas de serem "proibidas" (uma delas exibia o parque Ibirapuera) foram usadas no Instagram da Gol. A empresa disse que não conseguiu checar se houve irregularidade.



Fonte: Folha