Tornozeleiras geram economia de até R$ 500 mil nos presídios do Piauí; veja

Ele afirma que cada preso custa aos cofres públicos hoje cerca de R$ 1.500,00

O monitoramento de detentos provisórios no Piauí através de tornozeleiras eletrônicas já teve início na última terça-feira (17). Além de minimizar o problema da superlotação o equipamento também será responsável por gerar economia para os cofres públicos. O secretário estadual de Justiça do Piauí, Henrique Rebelo, explica que o Estado economizará até R$ 1.000,00 por cada detento que usar o equipamento. No total, a economia deverá chegar a aproximadamente R$ 500 mil para o sistema carcerário do Estado.

Ele afirma que cada preso custa aos cofres públicos hoje cerca de R$ 1.500,00. Com as tornozeleiras, eles custarão apenas R$ 500,00, valor equivalente ao equipamento e sua manutenção. ?Estamos felizes de estar iniciando esse processo no nosso Estado que está entre os pioneiros a adotar essa medida. Isso será muito positivo, sobretudo para a nossa economia?, disse o secretário.

Ele afirma ainda que, com isso, os detentos que cometeram crimes de menor poder ofensivo não entrarão em contato com presos de maior periculosidade. ?Essa é uma medida paliativa, mas evita que nossos presos entrem no sistema prisional e saiam de lá embrutecidos. Esse é um método seguro e vem para contribuir com a nossa segurança pública?, afirmou. Até agora uma pessoa já faz uso do equipamento no Estado, mas a medida deverá ser estendida a outros detentos, através de decisão judicial. O primeiro a fazer uso da tornozeleira é um homem, preso nesse mês de setembro, por furto qualificado.

Fonte: Pollyana Carvalho