Pesseghini: tragédia faz 2 meses com flores em palco dos crimes

Pesseghini: tragédia faz 2 meses com flores em palco dos crimes

Homenagem foi organizada por grupo que defende inocência de Marcelo na internet

Passados dois meses da chacina ocorrida na casa da família Pesseghini na Vila Brasilândia, zona norte de São Paulo, flores foram colocadas na calçada em frente da casa onde ocorreu a tragédia, que vitimou cinco pessoas da mesma família. A iniciativa foi de integrantes de uma página no Facebook criada para defender Marcelo Eduardo Bovo Pesseghini, tido pela polícia como principal suspeito da morte dos pais e de duas familiares, antes de se suicidar.

Uma floricultura foi contratada e deixou na tarde de sábado (5) os cerca de 110 vasos no portão, cobrindo a calçada. Uma pessoa envolvida na homenagem, que preferiu não se identificar à reportagem, explicou que a escolha por flores brancas foi em razão do mês de outubro, quando é comemorado o Dia das Crianças. Da primeira vez, em 5 de setembro, flores de várias cores cobriram a calçada em frente da casa.

Além das flores, faixas foram colocadas sobre o portão, questionando a polícia sobre quem de fato teria matado a família Pesseghini. Uma delas pedia justiça e clamava: "Que a verdade seja dita". A frase é a mesma no portão da casa anteriormente, quando flores também foram deixadas na calçada.

Os idealizadores da homenagem não acreditam na versão dos policiais do DHPP (Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa), a qual coloca o estudante de 13 anos como suspeito de ter assassinado os pais, a avó e a tia-avó. Marcelo foi encontrado morto junto com a família no dia 5 de agosto.

Ao lado dele, estavam os corpos da mãe, a cabo da Polícia Militar Andréia Bovo Pesseghini, e do pai, o sargento da Rota (Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar) Luiz Marcelo Pesseghini.

Em outro imóvel no mesmo terreno, estavam os corpos da avó do adolescente, Benedita Oliveira Bovo, e da tia-avó, Bernadete Oliveira da Silva, que não morava lá, mas tinha ido dormir com a irmã. Segundo a investigação, o menino teria matado a família, ido até a escola, assistido à aula e se suicidado.

A versão da polícia tem recebido contestações desde o início das investigações. Na internet, páginas foram criadas para discutir o caso e abaixo-assinados em defesa do adolescente pedem a intervenção da Polícia Federal na apuração.

Falta de sigilo telefônico ?emperra? fim de inquérito

Na semana passada, em entrevista, o delegado Itagiba Vieira Franco, do DHPP, reafirmou que ainda não recebeu os dados das quebras de sigilos telefônicos dos celulares encontrados na casa da família Pesseghini. De acordo com ele, a autorização para que seja concedido acesso já foi dada pela Justiça, mas as operadoras responsáveis ainda não enviaram os dados para que possam ser analisados.

Franco explicou que os sigilos são importantes para que a polícia saiba com quem os Pesseghini e, principalmente Marcelo, conversaram ao telefone nas horas que antecederam a chacina. Além de pôr fim à qualquer possibilidade de envolvimento de mais pessoas no crime, os investigadores querem, com esses dados telefônicos, traçar uma linha cronológica dos fatos mais precisa, associada aos laudos periciais já colhidos e divulgados pela polícia.

O laudo psiquiátrico produzido pelo profissional forense Guido Palomba já foi reunido ao inquérito, no qual a autoria de Marcelo Pesseghini é confirmada. Segundo Palomba, o que fez o menino de 13 anos matar a família toda e se suicidar é conhecido na medicina psiquiátrica como encefalopatia encapsulada ou sistematizada, doença causada por falta de oxigenação do cérebro.

Relembre o caso:

Fonte: r7