Troca de presentes movimenta as lojas no centro de Teresina

Troca de presentes movimenta as lojas no centro de Teresina

A famosa “temporada das trocas”, que é o período entre o Natal e o Ano Novo

A famosa ?temporada das trocas?, que é o período entre o Natal e o Ano Novo, podendo durar até depois, fica no centro de uma das semanas mais movimentadas neste fim de ano. Após as entregas de presentes, os consumidores insatisfeitos com o produto, seja pelo tamanho que não serviu, a cor que não agradou ou o modelo que não gostou, vão até as lojas para trocarem as mercadorias por algo que realmente satisfaça sua vontade.

No centro de Teresina, é possível encontrar várias pessoas com este mesmo foco: trocar presentes de Natal. É o caso de Joselma Resende, onde conta que ganhou uma blusa, mas como não serviu, dirigiu-se até a loja para fazer a troca. ?Trouxe a etiqueta e a nota, e vou trocar por uma camisa masculina?, ressalta.

Já André Cavalcante explica que escolheu o tamanho errado do presente e foi trocar a sandália que deu para uma amiga junto com ela. ?Ela pensou que não saberia resolver as burocracias da troca. O motivo da troca é que eu comprei número 37 e ela usa 36, mas terminamos tendo que escolher outro modelo também?, afirma.

As longas filas para as trocas das mercadorias são uma das consequências da ida ao comércio de Teresina neste período. André fala que levou apenas a nota fiscal e que a experiência na fila não foi muito boa. ?O ruim foi a fila, no dia 24, quando eu comprei, passei 20 minutos pra ser atendido no caixa e ontem (26) passei uma hora pra ser atendido no setor de trocas. Fora que na hora de escolher outro produto o atendimento não foi bom?, ressalta o estudante de Administração que ainda chega a ser engraçado em uma de suas afirmações: ?A impressão que eu tive é que as pessoas fazem compras pro Natal durante todo o dezembro e trocam apenas no dia 26?.

Até este começo de janeiro, ainda haverá muitas idas às lojas para substituições de produtos. Tatiane Saraiva é multiplicadora de vendas de um estabelecimento e afirma que a movimentação é intensa, chegando a ser fora do comum, e que segundo a multiplicadora, esta movimentação ainda deve durar até o dia 3 de janeiro. ?Desde o último dia 26, a procura está grande. De tudo um pouco as pessoas vêm trocar, mas o setor que mais tem trocas é o feminino, o masculino e o infantil nem tanto?, conta.

Tatiane também explica que o consumidor pode apresentar apenas a etiqueta do produto na hora da troca, e caso o produto trocado seja mais caro do que o vendido, o cliente pagará a diferença. ?Não pedimos a nota fiscal, porque como são presentes, as pessoas não têm elas, então pode vir só com a etiqueta. As trocas aqui acontecem mais por causa dos tamanhos, dificilmente é porque não gostou do presente?, explica Tatiane.

Loja em Teresina registra 20 trocas por dia

Enquanto as trocas ocorrem, o gerente de uma loja do centro de Teresina, João Soares, afirma que o fluxo de clientes cresceu desde a semana antes do Natal e que a tendência é aumentar. ?A movimentação é boa, nesta época de fim de ano aumenta consideravelmente. O Natal é época de presentear, de troca de presentes, então às vezes você compra alguma coisa pra alguém e não dá certo?, conta o gerente, dizendo ainda que os erros de tamanhos são os maiores fatores de substituição e que as trocas são atrativos para compras extras.

Os setores de confecções e calçados são apontados por João Soares como os segmentos que mais têm havido trocas na loja. ?Em média, fazemos 15 a 20 trocas por dia?, diz. Ele também fala que o consumidor deve levar a mercadoria para fazer a substituição no prazo definido pela loja e apresentar na hora a etiqueta, não precisando de nota fiscal.

Para evitar constrangimentos na hora de trocar os presentes, certifique-se que no momento das compras a nota fiscal esteja consigo e pergunte ao vendedor os critérios de troca da loja. É que alguns estabelecimentos impõem algumas condições para a substituição das mercadorias (não trocam aos sábados, só é feita a troca com a nota fiscal, não pode tirar a etiqueta, prazos de 5, 7, 10 dias, entre outros). (D.B. E F.A.)

Cliente deve preservar etiqueta e levar nota fiscal

A maior garantia que o consumidor deve ter em mãos quando for fazer a troca é a nota ou cupom fiscal e a manutenção da etiqueta. Em alguns casos, como na substituição de presentes, algumas lojas abrem mão das notas fiscais e admitem apenas a etiqueta.

Caso as compras tenham sido feitas diretamente no estabelecimento, a loja que oferecer a troca da mercadoria tem a obrigação de cumprir nas condições estabelecidas.

Mas se a loja não oferecer a possibilidade de trocar produtos, ela só pode ser executada em caso de defeito. Nesta situação, o Código de Defesa do Consumidor oferece aos consumidores prazos para reclamar junto ao fornecedor: até 90 dias para produtos duráveis e até 30 dias para produtos não duráveis.

A partir da data da reclamação, o fornecedor terá até 30 dias para solucionar o problema. Após esse prazo, se o problema continuar, o consumidor pode escolher trocar o produto por outro equivalente, mas em perfeitas condições de uso, o desconto proporcional do preço, ou a devolução da quantia paga.

E caso o produto apresente de imediato algum defeito, não tente resolver o problema sozinho, pois isso pode comprometer a garantia do produto. Leve a mercadoria à loja ou assistência técnica autorizada pelo fabricante e exija um documento com data. Antes de retirar o produto da loja ou da assistência técnica faça, também, uma análise para detectar possíveis defeitos. (D.B. E F.A.)

Fonte: Jornal Meio Norte