UESPI é a 1ª a ganhar o Prêmio Nacional dos Direitos Humanos

O prêmio ocorre em virtude das ações realizadas pela administração.

A Universidade Estadual do Piauí – UESPI e o PARFOR, Plano Nacional de Formação de Professores da Educação Básica, foram premiados pelo Movimento Nacional de Direitos Humanos – MNDH, em virtude das ações realizadas pela administração neste um ano e meio de gestão. O Prêmio Nacional de Direitos Humanos existe desde 1988, e esta é a primeira vez em que uma universidade piauiense é contemplada.

Image title

A UESPI ganhou o prêmio na categoria “organizações”, enquanto o PARFOR foi contemplado na categoria “ações e experiências”. O reitor Nouga Cardoso Batista e o coordenador geral do PARFOR, Raimundo Dutra, receberão os dois troféus no dia 13 de agosto, durante o XVIII Encontro Nacional de Direitos Humanos, que ocorrerá em Belo Horizonte. Já ganharam o prêmio instituições e personalidades como Dom Evaristo Arns, Leonardo Boff, Movimento das Mulheres Campesinas, Rede Brasileira de Socieconomia Solidária, dentre outras.

O MNDH é um movimento que agrega várias entidades e instituições do Brasil inteiro, que lutam pela vida, que lutam contra a violência, que lutam pela justiça, pelos direitos humanos como um todo. E o prêmio foi criado com o objetivo de dar visibilidade às pessoas, ações e instituições que tem a finalidade de promover esses direitos”, relata Raimundo Dutra.

Para o reitor Nouga Cardoso Batista, o fato de a UESPI ter sido a primeira universidade do Piauí a ganhar o prêmio foi uma surpresa: “Gostaria que fosse um prêmio que muitas outras universidades já tivessem acolhido. Nós fazemos o que precisa ser feito, e esperamos que muitas outras instituições trilhem também por uma política de valorização do ser humano”, afirmou.

O reitor também garantiu que continuará buscando novas formas de promover os direitos humanos dentro da universidade: “Nós pretendemos não só fazer o apoio sistemático das políticas que já estão no calendário de atuação, mas também sempre estar em contato com os mais diferentes grupos de interesses e estar apoiando ações que vão nesse sentido de fortalecimento dos direitos humanos”, finalizou.

Fonte: Ascom