Uespi sedia VII Fórum de Relações Públicas; mercado de trabalho está em expansão

Uespi sedia VII Fórum de Relações Públicas; mercado de trabalho está em expansão

O evento teve início quinta-feira, 27, e segue até hoje, 28, no auditório do edifício Paulo VI, situado na Avenida Frei Serafim. O Fórum discute as Relações Públicas no Piauí

O VII Fórum de Relações Públicas do Piauí, organizado pela Universidade Estadual do Piauí (Uespi), através do curso de Comunicação Social com habilitação em Jornalismo e Relações Públicas, teve início nesta quinta-feira, 27, e vai até sexta-feira, 28, no auditório do edifício Paulo VI, situado na Avenida Frei Serafim.

O evento, que tem como tema "Relações públicas na comunidade: as organizações além das fronteiras", discute o relacionamento que se faz necessário entre as organizações e a comunidade.

Foi idealizado por alunos do 11º período do curso de Comunicação Social, sendo este, um evento que corresponde ao estágio obrigatório curricular. E ainda, segundo Glenda Uchoa, uma das organizadoras do Fórum: "é uma oportunidade de trocar experiências com profissionais da área e de dar visibilidade à profissão para a sociedade".

"Nós, estudantes de Relações Públicas da Uespi, organizamos o único evento voltado à área de RP do Piauí.

Anualmente, quando o Fórum acontece, faz com que haja troca de conhecimentos entre profissionais já estabelecidos no mercado, estudantes, empresário e, além disso, dá visibilidade à profissão.

O universitário que faz comunicação, publicidade ou áreas afins, como turismo, contabilidade, biblioteconomia, administração, pode encontrar no Fórum uma ótima chance de ampliar conhecimentos", destaca a estudante de Relações Públicas do 11º da Uespi.

Já para Leonardo Silva Miranda, organizador do Fórum de RP, o evento contribui para estimular a discussão das Relações Públicas na sociedade, com ênfase nas comunidades.

"O principal objetivo do evento consiste em fomentar a importância das Relações Públicas para a sociedade em geral, focando de forma mais específica em seu viés comunitário de atuação.

O estudante afirma que o Fórum é uma forma de discutir a respeito da política de responsabilidade social para os mais diversos públicos.

"Nessa oportunidade, o Fórum almeja provocar as instituições públicas e privadas no sentido de fazer com que elas despertem para a importância de se viabilizar uma política de responsabilidade social, que seja realmente eficiente para as pessoas, seus mais diversos públicos", destaca Leonardo Silva Miranda.

As inscrições ainda podem ser feitas na coordenação do curso de Comunicação Social na UESPI, campus Torquato Neto e também no local do próprio evento, no auditório João Paulo VI, no valor de R$ 15 para estudantes e R$ 25 para profissionais.

Mercado de trabalho para relações públicas está em expansão no Piauí

O profissional de Relações Públicas tem a função de promover uma boa imagem de empresas ou instituições perante o público interno e externo. É este profissional quem cria programas de integração com a comunidade, organiza atividades promocionais e ainda formula ações para o bom relacionamento da organização com os diferentes públicos.

O mercado no Brasil teve início na década de 60, com a regulamentação da profissão por meio da Lei nº 5.377. Já no Piauí, segundo o professor de relações públicas da Uespi, José Barroso, o mercado está em expansão e pronto para receber profissionais com ideais empreendedoras.

"O mercado existe e está em fase de expansão. É o momento dos alunos se encorajarem para enfrentar o mercado local, que está a disposição deles. E esses futuros profissionais somarão os conhecimentos acadêmicos com a iniciativa de empreendedorismo, para lidar melhor com as empresas", garante o professor José Barroso.

A Universidade Estadual do Piauí é a única instituição no estado que oferta, há 12 anos, o curso de relações públicas, sendo este a 2ª habilitação do curso de Comunicação Social.

De acordo com José Barroso, em 2016 o curso de Comunicação Social da Uespi passará por desmembramento de habilitação, passando a ofertar dois cursos distintos de Comunicação Social, um com habilitação em Jornalismo e o outra em Relações Públicas.

"A nova proposta da Uespi para o curso de Comunicação Social é a separação das Relações Públicas com o Jornalismo, a partir de 2016, isso seguindo as exigências das diretrizes básicas. O ingressante na graduação já poderá optar por apenas uma das habilitações", finaliza.

Palestrantes discutem importância do RP

O VII Fórum de Relações Públicas da Uespi, traz em sua programação a participação de profissionais da área como a Professora Zilda Paim, da Universidade do Estado da Bahia (Uneb), o professor doutor Guibson Delgado, da Universidade Federal de Alagoas (Ufal), professor doutor Orlando Berti, da Universidade Estadual do Piauí (Uespi), e também profissionais egressos do Curso de Relações Públicas da instituição promotora.

Para o professor Orlando Berti, o evento tem relevância para a sociedade em geral, principalmente por discutir a profissão no estado. "É um evento extremamente importante, válido e divisor de águas porque é uma área nova e é ímpar no nosso estado. A população precisa conhecer mais o que é esse curso, essa área, por isso é essencial ir debater e vivenciar RP", destaca Orlando Berti.

Para o evento a organização do fórum convidou ex-alunas de Relações Públicas da Uespi, que atuam mercado, dentre elas está Mayara Martins e Flalrreta Alves, que participaram do debate "RP no Piauí: um território a ser desbravado".

De acordo com Mayara Martins, jornalista e relações públicas, o fórum é um meio importante para discutir a profissão e a necessidade do mercado de trabalho no setor de relações públicas ser explorado por profissionais formados.

"Um evento como esse é de fundamental importância para se discutir o papel do profissional de Relações Públicas e também sobre o mercado de trabalho no Piauí.

Temos um campo muito amplo para explorar, tanto na iniciativa pública quanto na privada, e ainda não temos consciência da importância do nosso trabalho.

Na Uespi, somos os únicos a ofertar a habilitação e saímos com esse diferencial no mercado. Diferencial esse que temos que saber desbravar", garante a relações públicas Mayara Martins.

Segundo Flalrreta Alves, relações públicas, uma das problemáticas do curso de relações públicas é o desconhecimento pela área e aponta avanços no mercado de trabalho.

"Há dez anos o curso foi implantado, mas a sociedade ainda desconhece o que venha a ser Relações Públicas. E isso começa dentro do próprio curso, com professores e alunos desdenhando. Mas aos poucos esse cenário está mudando.

Em 2014, ano que a profissão completa 100 anos no país, o Estado realizou o primeiro concurso público na área, embora seja esfera federal, foi uma boa oportunidade para mostrar o que existe além dos muros", confessa Flalrreta Alves, que afirma ser apaixonada por relações públicas.

Clique e curta o Portal Meio Norte no Facebook

Fonte: MÁRCIA GABRIELE