UFPI é a 49º melhor universidade do país, mostra ranking

No Nordeste, a UFPI ocupa o novo lugar dentre as federais do Nordeste

O jornal Folha de S. Paulo divulgou nessa segunda-feira um ranking que classifica 191 instituições de ensino superior do Brasil, incluindo públicas e privadas. A Universidade Federal do Piauí, segundo o levantamento, é a nona dentre as federais do Nordeste, ocupando o 49° lugar, com uma nota de 47,7. A primeira do ranking, a USP, teve nota de 98,78, mais que o dobro da UFPI. A melhor do Nordeste, a Federal de Pernambuco, ficou em 10° lugar no ranking geral com nota de 77, 13.

Segundo o jornal, foram utilizados quatro indicadores para compor a fórmula:

- Qualidade da pesquisa: O jornal analisou nove indicadores das universidades relacionados à pesquisa científica, como proporção de professores com doutorado, número de artigos científicos por docente e número de publicações no Scielo. Peso: 0 a 55 pontos

- Qualidade de ensino: o Datafolha entrevistou 597 pesquisadores do CNPq, amostra definida para representar o grupo dos melhores cientistas e docentes do país. A cada um deles foi pedido que apontasse as 10 melhores instituições brasileiras em sua área. Peso: 0 a 55 pontos.

- Avaliação do mercado: O Datafolha entrevistou 1.212 diretores, gerentes ou profissionais responsáveis pelos recursos humanos de empresas e instituições brasileiras, amostra definida para representar todo o setor do país. Para cada um deles foi pedido que apontasse as três instituições de ensino superior para os quais dariam preferência em um processo de contratação. Peso: 0 a 20 pontos

- Indicador de inovação: O jornal analisou a quantidade de pedidos de patentes por cada universidade. Peso: 0 a 5 pontos.

Na qualidade de ensino a UFPI não pontuou. Em qualidade de pesquisa ela tirou 35,46, em um indicador que vai até 55. No quesito Avaliação do mercado ficou com 9,74 e Indicador de inovação teve 2,5 pontos.

OUTRO LADO

O Meio Norte.com procurou a Assessoria de Comunicação da UFPI para comentar o ranking do jornal Folha de S. Paulo. No primeiro contato, o órgão disse desconhecer a pesquisa. Logo em seguida, a assessora Samanta Castelo Branco ligou para nossa reportagem e criticou os quesitos usados pela publicação e os chamou de "subjetivos". Segundo ela, o reitor vai estudar o levantamento antes de comentar o ranking.

Clique na imagem para ampliar



Fonte: Kaio Eduardo