Usuários de drogas ocupam hortas do Dirceu, na zona Sudeste de Teresina

Os produtores denunciam que a falta de proteção no local facilita a entrada de usuários de drogas que roubam a produção e animais que destroem os canteiros

Os produtores das hortas comunitárias do grande Dirceu, zona Sudeste de Teresina, continuam a reclamar das cercas quebradas que ladeiam a produção. A estrutura está visivelmente destruída e em alguns pontos o acesso às hortas é praticamente livre.

As pessoas denunciam que a falta de proteção faz com que animais entrem no espaço para comer os vegetais e destruir os canteiros. Além disso, pessoas mal intencionadas também utilizam o espaço durante a madrugada para usar drogas e roubar a produção.

Segundo a agricultora Margarida Ferreira dos Santos, que trabalha no local desde 1997, a situação é ruim em razão dos roubos, que prejudicam, e muito, os ganhos dos pequenos produtores.

“Nunca consertaram a nossa cerca, e isso traz muitos problemas. O principal são as coisas que eles tiram da gente. Tem um pessoal que passa a madrugada aqui e só sai quando a gente chega de manhã”, denuncia.

Ela também reclama do vandalismo cometido por essas pessoas, que não só roubam os vegetais e hortaliças como também destroem os canteiros e fazem necessidades dentro deles. “Eles arrancam os canteiros, pisam, muitas vezes fazem cocô dentro também.

Eles até tomam banho dentro das manilhas de irrigação, e a gente é obrigado a lavar porque não dá mais para usar a água. E roubam muito, é claro. Enquanto isso a gente está aqui, se matando de trabalhar”, reclama Margarida.

Já para Maria Alves o problema mesmo são os bichos. Cachorros e até animais maiores, como vacas e cavalos, adentram nas hortas e devoram tudo. “O que eles não comem eles pisam”, diz. “Os cachorros são os piores, eles entram aqui e fazem um chafurdo horrível nos canteiros, arrancam as cebolas e fazem a destruição”, aponta Maria.

A grave situação apontada pelos horticultores reflete no número de produtores presentes na região, que diminuiu drasticamente para apenas 25. Após os inúmeros casos de furtos e de animais invadindo as hortas, alguns acabam por desistir da agricultura, e a prova disso é o crescente número de canteiros abandonados no espaço.

Iluminação também é reivindicação

Além da questão da cerca que corrobora com furtos e a invasão de animais, outra questão apontada pelos agricultores é a iluminação precária das hortas da zona Sudeste. Segundo os donos dos canteiros, o local à noite é um verdadeiro breu, e contribui diretamente para que os usuários de drogas utilizem o espaço sem maiores problemas.

Para a população, falta uma iluminação que dê conta do lado direito e esquerdo das hortas comunitárias. "Para melhorar aqui falta muita coisa. O certo era ter pelo menos uma iluminação que prestasse e que iluminasse os dois lados da horta, pois no escuro fica mais fácil do pessoal fazer coisa errada", diz o agricultor Genésio Rocha.

SDR está tomando providências

Segundo informações colhidas junto à Superintendência de Desenvolvimento Rural (SDR), a reconstrução da cerca de proteção das hortas do grande Dirceu está em fase de licitação e boa parte do material necessário para a construção já foi encaminhado ao local. A demora para o início da obra se deu porque foi necessária uma segunda licitação, pois na primeira a empresa teria desistido da empreitada, tendo, inclusive, pago multa.

A SDR também informa que processo de construção e a entrega da cerca devem iniciar o quanto antes, após os recessos de fim de ano. E além da construção da cerca também foram garantidos novos pontos de irrigação, iluminação e um convênio com a Polícia Militar que fará rondas mais ostencivas na região para evitar que usuários de drogas utilizem o espaço das hortas.

Fonte: Lucrécio Arrais