Vigilância Sanitária alerta sobre cuidados na compra de pescados

O período da Quaresma tem aquecido a venda do pescado em todo PI

O período da Quaresma (os quarenta dias nos quais os cristãos se preparam para a Páscoa) tem aquecido a venda do pescado em todo o Estado. Comer pescados é saudável e saboroso, mas pode ser maléfico à saúde da população se não for de boa procedência e acondicionado da forma adequada para o consumo. A falta dos cuidados pode levar a infecções alimentares e possíveis danos à saúde.

Para fugir desses indesejáveis problemas, a Diretoria de Vigilância Sanitária do Estado (Divisa) alerta para os cuidados que as pessoas devem ter na hora de comprar os alimentos. “São medidas simples que vão ajudar a prevenir a compra e o consumo irregular dos pescados”, disse Iolanda Soares, coordenadora de alimentos da Divisa.

De modo geral, os peixes são boas fontes de todos os aminoácidos essenciais, que ajudam a formar as proteínas, necessárias para o crescimento e a manutenção do corpo humano. São também fontes importantes de ferro, vitamina B12, cálcio e gorduras essenciais, fundamentais ao bom funcionamento do corpo.

O pescado, porém, é um alimento muito sensível, por isso deve-se ter alguns cuidados na compra, preparo e no armazenamento. Na hora de comprar peixes frescos, por exemplo, é importante observar determinados fatores. Os olhos do peixe devem ser transparentes e brilhantes, como se ele ainda estivesse vivo. “Quando o peixe fica muito tempo no gelo, ele fica com os olhos achatados e sem brilho e isso é um sinal importante de que aquele pescado não será ideal para o consumo humano”, explicou Iolanda Soares.

Outra observação importante são as escamas. Se ao passar a mão no peixe, elas se soltarem facilmente, o consumidor deve evitar a compra. As escamas devem estar firmes e resistentes.

Caso o consumidor opte por peixes congelados é preciso verificar se o produto é inspecionado pelo Serviço de Inspeção Federal (SIF) e está armazenado na temperatura adequada, conforme informado pelo fabricante na embalagem. “Os produtos não podem estar amolecidos ou com acúmulo de líquidos”, disse a coordenadora.

Crustáceos
Em relação aos crustáceos, como, por exemplo, o camarão, outro alimento muito procurado no período da Semana Santa, também tem as suas observações a serem feitas na hora da compra. Eles devem apresentar corpo curvo e firme, sem manchas escuras, com casca aderente e cheiro suave. “Seguindo essas orientações o consumo desses alimentos será de melhor qualidade e a população vai garantir um produto mais seguro, podendo, neste período, preparar suas receitas e se deliciar de forma saudável”, finalizou.

Fonte: Com informações do Portal do Governo