Virgem Catarina diz já ter conhecido japonês que arrematou sua castidade: "não é feio"

Virgem Catarina diz já ter conhecido japonês que arrematou sua castidade: "não é feio"

Catarinense vendeu primeira vez na internet e prêmio foi de R$ 1,5 milhão.

A jovem Ingrid Migliorini, conhecida como Catarina, que leiloou a virgindade pela internet, ainda não decidiu se sua primeira vez será com o japonês vencedor do leilão. A garota de 20 anos está em sua cidade natal, Itapema, em Santa Catarina, onde deve passar o verão. Em entrevista ao site de notícias G1, ela revelou que não se sente preparada para uma relação sexual, embora já tenha conhecido o japonês durante um jantar em Sidney, na Austrália.

O leilão fez parte de um projeto que também previa a gravação de um documentário sobre a preparação para a primeira vez. A produção é do australiano Justin Sisely, que promoveu os lances por meio do "Virgins Wanted", site divulgado ao público no dia 15 de setembro de 2012 e cujos lances terminaram em 24 de outubro. Já a primeira noite de Catarina estava prevista para ocorrer 10 dias depois do fim do leilão, no dia 3 de novembro. Porém, segundo ela, até a tarde desta sexta-feira (4), não havia uma previsão para ocorrer.

Entrevistada na praia onde nasceu e mora com a família, ela fala sobre a relação com os pais, o desejo de escrever um livro e se tornar atriz e afirma que ainda não desistiu do lance de R$ 1,5 milhão que será pago pelo japonês caso sua primeira vez seja com ele.

G1 - Você já conheceu o vencedor do leilão? Como foi o encontro?

Ingrid Migliorini - Eu o conheci em um jantar em Sydney, na Austrália. Ele fez o pedido para jantar antes da primeira vez e aceitei. Fui com dois amigos e o Justin [produtor]. Ele não gostou muito de não ter sido só comigo, mas foi por segurança e ele aceitou. Durou pouco mais de uma hora. Falamos em inglês e foi uma conversa legal. Posso dizer que ele não é feio.

G1 - E você pensa em desistir do prêmio do leilão?

Ingrid - Neste momento, não me sinto preparada para a primeira vez. Pelo menos neste verão, não vai acontecer, pois vou curtir a temporada no Brasil. Isso não significa que não vai ocorrer, apenas não decidi ainda. O regulamento do leilão não prevê nenhuma multa, então posso desistir a qualquer momento. Agora, a chance disso acontecer é de 3 em 10.

G1 - Essa decisão tem influência da sua família? Como está a relação com seus pais?

Indrid - Além de não me sentir preparada, eles pediram muito para repensar a decisão. Então, tem relação com eles, sim. A relação com a minha mãe sempre foi boa e está ótima. Sobre meu pai, prefiro não comentar.

G1 - E se não acontecer com o vencedor do leilão, como você imagina sua primeira vez?

Ingrid - Se não acontecer com ele, só vou fazer algo com alguém que gostar muito. Até meus 15 anos imaginava a primeira vez com amor, aquele desejo de adolescente de ser com o príncipe encantado. Atualmente, vejo a virgindade como uma condição física do corpo, mas se não acontecer através do leilão, quero gostar da pessoa de verdade.

,b>G1 - Você nunca namorou? Já se sentiu sozinha em algum momento?

Ingrid - Nunca namorei, mas também nunca tive problemas em ficar sozinha. Durante minhas viagens, conheço muita gente, principalmente porque estou sozinha. Gosto de baladas e leio muito também, pelo menos um livro por semana, às vezes mais. Isso já é uma companhia.

G1 - O que você achou do ensaio sensual feito pela revista masculina para a qual você posou nua?

Ingrid - Adorei. Eles escolheram o tema e eu gostei. Achei uma mistura de inocência e perversidade. Neste momento, é mais ou menos assim que me sinto, de modo geral. É, sim, um pouco do que eu sou neste momento.

G1 - Como você era quando criança e adolescente?

Ingrid - Não era nada precoce, era bem criança. Brincava de boneca, fazia festas em lugares com tobogã. Sempre fui a aluna mais nova da classe, então, quando as outras meninas estavam na fase de paquerar, ainda queria brincar.

G1 - Quando esta fase passou?

Ingrid - Meu primeiro beijo foi com 17 anos, em um menino catarinense, de uma cidade próxima de Itapema. Foi durante uma baladinha. Minha primeira primeira paixão também foi aos 17, por um argentino. Conheci ele na praia e ficamos juntos por no máximo uma semana, depois ele foi embora. Trocamos e-mails, mas foi só isso, nunca rolou nada mais.

G1 - Depois do leilão, qual é a reação das pessoas quando encontram com você?<;b>

Ingrid - Nunca ninguém falou nada que me ofendesse pessoalmente. Já vi muitos comentários negativos, mas agora não os leio mais. Acho que na internet as pessoas têm mais coragem de falar e dizem qualquer coisa. Diante de mim, nunca me disseram qualquer ofensa. Pelo contrário, quem fala elogia a coragem.

G1 - Você acha que as pessoas são verdadeiras quando falam com você sobre isso?

Ingrid - Não sei, mas, de qualquer forma, não me importo. Uma vez li uma frase que questionava: "Ser admirada? De que te serve?". Então, se as pessoas são verdadeiras ou não, não vai fazer diferença.

G1 - Você ficou com receio que o leilão pudesse atrapalhar futuros relacionamentos?

Ingrid - Sempre achei que o amor verdadeiro supera tudo e gosta de você como realmente é. Pensei nisso, mas os homens se aproximam mais de mim agora. Não sei qual a real intenção, isso é verdade, mas atualmente me pedem em casamento, em namoro e me procuram muito mais.

G1 - Quais seus planos para 2013?

Ingrid - Viajar muito e escrever um livro. Meu objetivo com o leilão era ganhar dinheiro para ser independente, viajar e conhecer novos lugares e pessoas. Isto é uma coisa de que gosto de fazer, além de ir à praia, tocar piano e até surfar de vez em quando. Também quero estudar, mas talvez mude de área. Antes do leilão, estava com matrícula feita para cursar medicina na Argentina. Agora, penso em estudar no Brasil ou então fazer outro curso, como Artes Cênicas. Gostaria que surgisse uma oportunidade para trabalhar no meio artístico, talvez me tornar atriz.

Fonte: G1