"Ele estava com medo", diz Viúva de cadeirante morto na São Silvestre

"Ele estava com medo", diz Viúva de cadeirante morto na São Silvestre

Mudanças no trajeto da corrida tiraram o sono do paratleta.

A viúva do cadeirante paraense que morreu após bater em um muro na corrida de São Silvestre revelou que o marido estava receoso com as mudanças no trajeto da competição. Israel Cruz Jackson de Barros, que tinha 41 anos, sofreu o acidente no trecho da prova perto do Estádio do Pacaembu na segunda-feira (31).

Segundo participantes da categoria cadeirante masculino, Israel acabou perdendo o controle de sua cadeira na descida e, por isso, se chocou com o muro do estádio. Em entrevista a Record Belém, Adriana Mendonça contou que, antes de viajar a São Paulo, o marido demonstrava medo.

? Ele estava muito assustado, porque tinha mudado o trajeto da corrida e tinha muitos [pontos] altos lá. Era muito perigoso. Ele falou para mim que era a primeira vez que ele estava muito preocupado.

O paratleta já havia participado de outras duas corridas de São Silvestre. Segundo Adriana Mendonça, Israel chegou a ganhar competições, como o primeiro lugar da 13ª Volta Internacional da Pampulha, em Belo Horizonte (MG), em 2011.

? Era o que ele amava fazer: correr. Ele morreu feliz, porque ele morreu correndo.

Israel Cruz Jackson deixa mulher, filha e uma neta de dois meses. O corpo dele chegou a Belém na noite desta terça-feira (1º) e deve ser enterrado nesta quarta-feira (2).

Fonte: r7