Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Acesse a versão para celular

Polícia investiga se Marielle Franco era alvo de escuta em sua sala

Placas do teto da sala da vereadora foram alteradas.

Polícia investiga se Marielle Franco era alvo de escuta em sua sala
mariele | reproducao
Compartilhe
Google Whatsapp

O assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes, que faz três meses nesta quinta-feira, pode ter começado a ser planejada no ano passado. Policiais que investigam o caso, que é considerado o mais difícil da história da Delegacia de Homicídios da Capital (DH), avaliam se Marielle era alvo de uma escuta clandestina instalada em seu gabinete, no nono andar do prédio da Câmara dos Vereadores.

Assessores de Marielle, ao voltarem do recesso de fim de ano, no início de fevereiro, perceberam que as placas do teto da sala da vereadora tinham sido alteradas. A hipótese é de que a escuta tenha sido retirado no período de férias coletivas.

Imagens do circuito interno do Palácio Pedro Ernesto mostram o momento em que um homem escalou o prédio, em fevereiro. Ao tomar conhecimento do caso, um mês antes do ataque a Marielle, o vereador Tarcísio Motta (PSOL) pediu ao presidente da Casa, Jorge Felippe (PMDB), que fizesse uma varredura em todos gabinetes, mas ele não foi atendido. O caso chamou atenção da DH, que tem pedido, com frequência, imagens da época para a segurança da Casa.

A polícia também demorou a descobrir que tipo de arma foi usada no crime. Testemunhas que foram dispersadas por policiais militares da cena do assassinato contaram ter ouvido uma rajada abafada, como se o executor tivesse usado um silenciador. A reconstituição para chegar ao armamento só foi realizada no dia 10 de maio, quase dois meses após o ataque a Marielle e Anderson. Os peritos simularam disparos de seis tipos diferentes de armas e chegaram a conclusão que os atiradores usaram uma submetralhadora HK MP5.

No Rio, existem cerca de 50 submetralhadoras do modelo, divididas entre as polícias Civil, Militar e Federal, além de unidades das Forças Armadas. A previsão é que todas passem por um exame balístico para saber se os projéteis usados no assassinato saíram de alguma delas.



Tópicos
Compartilhe
Google Whatsapp
Carregar os comentários (0)

comentários

fechar comentários
Nenhum comentário feito até o momento

veja também

Recomendamos

Localização

Definir a localização padrão

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Termos de uso

Texto

Política de privacidade

Texto