mais

Doenças cardiovasculares são principal causa de óbitos femininos

Estudo publicado na revista "The Lancet" conclui que 35% das mortes femininas anuais são provocados por esses problemas — e não recebem a devida atenção médica

Em 2019, havia cerca de 275 milhões de mulheres com doenças cardiovasculares (DCVs) no mundo. Naquele ano, 47% das mortes por DCVs foram causadas pela doença isquêmica do coração, enquanto 36% foram atribuídas a derrames. E, embora a prevalência de DCVs em mulheres esteja diminuindo a nível global (4,3% desde 1990), alguns dos países mais populosos têm registrado um aumento. Esse é o caso da China (10%), da Indonésia (7%) e da Índia (3%).

As doenças cardiovasculares também carregam o título de principal causa da mortalidade feminina no mundo, sendo responsáveis por 35% dos óbitos a cada ano. Mesmo assim, elas permanecem subestudadas, sub-reconhecidas, subdiagnosticadas e subtratadas, como afirma a professora Roxana Mehran, do Centro Médico de Monte Sinai, nos Estados Unidos.

Doenças cardiovasculares em mulheres (Foto: divulgação)Doenças cardiovasculares em mulheres (Foto: divulgação)

Mehran faz parte de uma equipe de 17 especialistas de 11 países que desenvolveu o primeiro relatório global sobre DCVs em mulheres. “Melhorias permanentes no atendimento às mulheres exigem esforços coordenados e parcerias envolvendo formuladores de políticas, médicos, pesquisadores e a sociedade como um todo”, diz a pesquisadora.

Publicado na revista científica The Lancet neste domingo (16), o documento apresenta uma série de recomendações para conter a incidência desse tipo de doença, lembrando que tais esforços contemplam os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU — entre os quais está a meta de reduzir em um terço as mortes prematuras por doenças não transmissíveis até 2030.

As pesquisadoras destacam que um ponto a ser trabalhado são os fatores de risco. Para além da hipertensão, do alto índice de massa corporal e alto colesterol LDL, é importante reconhecer outros elementos que afetam as mulheres. A menopausa prematura e distúrbios relacionados à gravidez, por exemplo, precisam ser priorizados na elaboração de estratégias de tratamento e prevenção.

O estudo mostra também que as mulheres são mais propensas do que os homens a sofrerem com disparidades de saúde devido a fatores culturais, políticos e socioeconômicos. Assim, o desemprego e outros aspectos sociais, principalmente aqueles ligados a ansiedade e depressão, devem ser levados em consideração.

“Algumas normas sociais ou religiosas, como restrições à participação em atividades esportivas e físicas, podem contribuir para doenças cardiovasculares em mulheres, o que destaca a necessidade urgente de iniciativas culturalmente adequadas a diferentes regiões e populações”, observa Bairey Merz, do Centro Médico Cedars-Sinai.

Por isso, entre as recomendações que constam no documento estão a atenção à saúde mental das pacientes, o apoio às populações de baixa renda em países desenvolvidos e emergentes e a adaptação de abordagens conforme as características de cada comunidade.

As especialistas destacam ainda a importância de monitorar grupos que não são considerados de alto risco, como mulheres mais jovens — entre as quais as taxas de ataque cardíaco e tabagismo estão crescendo.

“O nosso relatório é tanto um ponto de partida quanto um apelo à ação para mobilizar profissionais de saúde, legisladores e as próprias mulheres para trabalhar em direção a um futuro mais saudável”, afirma Liesl Zuhlke, da Universidade da Cidade do Cabo, na África do Sul.

Tópicos

comentários

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Desbloquear Notificações

Como desbloquear notificações

Na barra de endereço, clique no cadeado e em Notificações escolha a opção permitir, como na imagem abaixo

desbloqueio de notificação push

Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail