Casos de sarampo no Brasil reacenderam o alerta sobre a gravidade de um surto da doença. No Piauí, a Secretaria de Estado da Saúde do Piauí (Sesapi) monitora dois casos suspeitos. O sarampo é altamente contagioso, por ser disseminado pelo ar, tendo a maior taxa de transmissão entre as doenças virais. Estima-se que uma pessoa com a doença contamine mais de 10 indivíduos.

O sarampo é uma doença infecciosa aguda extremamente contagiosa e muito comum na infância. “Apesar de ser mais comum em crianças de até cinco anos, os adultos também podem contrair a doença. O sarampo na gravidez é particularmente grave pois poderá trazer riscos para a saúde da gestante e do bebê”, ressalta o clínico Victor Ferreira (CRM 4669), que atende na Clínica Intermed, plano de saúde do Sistema Unimed Teresina.

Médico clínico Victor Ferreira (CRM 4669) explica sintomas e cuidados com a doença | FOTO: DivulgaçãoMédico clínico Victor Ferreira (CRM 4669) explica sintomas e cuidados com a doença | FOTO: Divulgação

O profissional acrescenta que os sintomas iniciais são parecidos com uma gripe: “No início há tosse, coriza, irritação conjuntival e febre. Após poucos dias da contaminação aparece o típico exantema (erupções avermelhadas na pele) do sarampo, que iniciam no tronco. O exantema não coça e dura pouco mais que uma semana. Bem no começo do exantema aparecem manchas brancas muito típicas na mucosa oral - as manchas de Koplick”, detalha.

A doença ainda pode evoluir com infecção nos ouvidos, pneumonia, causar diarreias e até infecções no encéfalo. “O sarampo pode levar a várias complicações, a mais comum é a pneumonia bacteriana, principal responsável pela morte de crianças desnutridas. As complicações neurológicas, no entanto, assustam mais. Além de algumas agudas, como encefalite transitória, há uma encefalite crônica que sempre evolui mal e para o óbito. Na grande maioria, os sintomas mais graves atingem os grupos de risco como desnutridos, recém-nascidos, gestantes e pessoas portadoras de imunodeficiências”, ressalta.

Além disso, a doença em adultos é ainda mais grave: “O diagnóstico é mais difícil e há uma pneumonia não bacteriana, pelo vírus do sarampo mesmo, que pode ser muito grave”, explica o médico da Intermed.

Vacinação

Apesar de contagiosa, o sarampo pode ser prevenido com a vacinação, porém pelo alerta de surto a cobertura vacinal deve ser acima de 90% da população. De acordo com o Ministério da Saúde, com duas doses da vacina a imunização é considerada suficiente para a vida toda.

“Geralmente a vacinação começa ainda na infância, quando a criança completa um ano de vida: a dose tríplice viral ou SCR (sarampo, caxumba e rubéola). Já a dose de reforço é aos 15 meses: a tetra viral ou SCRV (sarampo, caxumba, rubéola e varicela). Porém como estamos em um momento de maior risco da doença, a recomendação atual é dose a partir dos seis meses de idade. Crianças de até cinco anos, que já tomaram as duas doses, também podem receber o reforço”, afirma.

A vacina está disponível durante todo o ano nos postos de saúde. Ela é recomendada para adultos e crianças. “Como não existe tratamento específico para o sarampo, somente medicamentos para aliviar os sintomas, a única forma de prevenção é a vacina tríplice viral, que é extremamente efetiva no combate à doença e nossa a principal aliada”, pontua o médico.

Sintomas do sarampo:

Principais

  • Tosse;
  • Coriza;
  • Manchas vermelhas na pele;
  • Irritação nos olhos;
  • Febre;
  • Mal-estar geral.

Podem ocorrer

  • Náusea;
  • Conjuntivite;
  • Diarreia;
  • Infecção no ouvido;
  • Perda de apetite.

Graves

  • Pneumonia;
  • Convulsões;
  • Lesão cerebral;
  • Infecções no encéfalo.