Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore

Ex-usuária de droga diz ter perdido 34 amigos em bairro de João Pessoa

Ex-usuária de droga diz ter perdido 34 amigos em bairro de João Pessoa

Ex-usuária de droga diz ter perdido 34 amigos em bairro de João Pessoa
Ex-usuária de droga diz ter perdido 34 amigos em bairro de João Pessoa | arquivo internet

"Perdi 34 amigos no meu bairro em um ano [2012]. A maioria a droga levou. A grande maioria era negra", relata Renata Wilma de Lima, 27, moradora do Mangabeira, maior bairro de João Pessoa.

"Estão matando não é só por causa da droga, mas por causa do conceito", revela.

"Se o "boy" matar um, dois, três, aquilo ali é um conceito para ele. Vai ter uma moral dentro do bairro."

Separada, mãe de três filhos e ex-usuária de drogas, Renata tem planos de estudar e ser documentarista. Entre outras coisas, quer retratar sua comunidade, como afirma que já vem fazendo.

"Comecei a observar ao meu redor, meninos que eu vi crescer, peguei no braço. Comecei a ir a enterro, a ver aquelas cenas [de crimes] próximas de mim, e comecei a registrar [em fotos]", relata

Renata diz ter deixado as drogas há 12 anos, quando entrou no Centro da Juventude, espécie de oficina com vários cursos em Mangabeira, onde conheceu a capoeira.

Há alguns meses, conta, seu filho de 13 anos ia ao shopping com colegas quando precisou voltar às pressas para casa. No caminho, cruzou com outros jovens, no terminal de ônibus, que quiseram saber de onde ele era.

""Ôxe, esse "boy" é de Mangabeira, vamos quebrar." Ele só não levou uma surra porque ele viu o [ônibus] 303 e correu para dentro", afirma.

Segundo o militante do movimento negro e jornalista Dalmo Oliveira da Silva, essa "cultura de violência" é recente em João Pessoa.

"É como se tivesse ocorrido uma espécie de importação de um modelo que acaba contribuindo para o glamour da bandidagem", declara.

No Mangabeira, o Centro da Juventude frequentado por Renata hoje é um prédio caindo aos pedaços, sem pintura e com fiação exposta.

A coordenação do local, ligada à prefeitura, informou que a reforma do imóvel atrasou, mas que está programada para começar em breve.


Tópicos
Compartilhe

veja também

Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar