Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore

Força-tarefa vai se dedicar ao restauro do Palácio Itamaraty (RJ)

Força-tarefa vai se dedicar ao restauro do Palácio Itamaraty (RJ)
|

 Daniela Reis / Iphan

Um prédio que já foi moradia do barão do Rio Branco, sede da Presidência da República do Brasil e abrigou, por décadas, o Ministério das Relações Exteriores. Se os salões, os jardins e as sacadas do Palácio Itamaraty, localizado no Rio de Janeiro (RJ), testemunharam acontecimentos marcantes para a memória nacional, o acervo do imóvel centenário confere ao Palácio uma projeção mundial.

Com o intuito de valorizar a edificação, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) lançou uma força-tarefa voltada a reunir esforços para a restauração do monumento. A proposta pioneira se inicia com a parceria entre a superintendência do Iphan no Rio de Janeiro e o Escritório de Representação do Ministério das Relações Exteriores. Além destas instituições, o Ministério do Turismo e a Secretaria Especial de Cultura endossam a iniciativa.

O primeiro passo já foi dado: o Instituto cedeu ao Itamaraty uma arquiteta do quadro da Autarquia com expertise em gestão e acompanhamento de projetos, bem como em obras de conservação e restauro. Ao longo de dois anos, a profissional viabilizará a interface entre três iniciativas – com recursos que totalizam 12,5 milhões – dedicadas a produzir projetos executivos de restauro e a efetivar as obras em si.

Outro propósito da parceria Iphan-Itamaraty consiste em buscar novos modelos de gestão dos monumentos, que priorizem a sustentabilidade econômica do Patrimônio Cultural, promovam o turismo, se integrem ao cotidiano da sociedade e atendam às necessidades dos cidadãos no campo do lazer, da cultura e da educação.

Viabilizada pela Lei Rouanet, a primeira fonte de recursos tem origem em um termo de cooperação com o Instituto Pedra. São R$ 6,6 milhões voltados ao projeto executivo de restauração de três edificações que compõem o complexo do Palácio Itamaraty: a construção original, a biblioteca e o prédio da antiga cavalariça. Já emenda parlamentar disponibilizou R$ 2 milhões para o projeto executivo da edificação que abriga a parte administrativa do Itamaraty.

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), por sua vez, concedeu R$ 3,9 milhões para implementar o projeto de prevenção, combate a incêndio e segurança do Museu Histórico Diplomático (MHD), localizado no prédio original; bem como do imóvel que abriga a Biblioteca, onde também se encontram a Mapoteca e o Arquivo do Itamaraty.

Na última sexta-feira, 18 de setembro, uma pequena solenidade no Palácio celebrou o início da força-tarefa. O evento, que contou com representantes do Iphan e do Itamaraty, adotou medidas de combate ao novo coronavírus (covid-19). A ocasião inaugurou um novo momento para o Palácio, que há décadas não passa por obras de restauração de grande porte.

A história do Palácio

Uma das primeiras edificações a ser tombadas pelo Iphan, em 1938, o palácio foi inscrito nos Livros do Tombo Histórico e das Belas Artes. Construído na década de 1850, o imóvel foi encomendado pelo barão e depois conde de Itamaraty. O projeto de construção é atribuído a José Maria Jacinto Rabello.

A fachada sóbria apresenta composição neoclássica francesa de fundo italiano. O interior revela características dos grandes solares do século XIX: saguão de acesso e salões nobres decorados se sobressaem no prédio de dois pavimentos.

Quando lá morava, o barão do Rio Branco – diplomata e estadista célebre no período do Império – esboçou no Palácio as principais medidas da política externa brasileira da época, como a anexação do Acre ao território nacional. De 1889 a 1897, o prédio foi sede do Governo Republicano: os três primeiros presidentes do Brasil trabalharam no local antes da presidência ser deslocada para o Palácio do Catete, quando o Rio de Janeiro ainda era a capital do país. Depois, abrigou o Ministério das Relações Exteriores até 1960, quando este foi transferido para Brasília.

Atualmente, o MHD encontra-se instalado na edificação. Além de apresentar vasto acervo da política externa brasileira, este equipamento cultural dispõe de peças raras. É o caso do manuscrito do projeto de lei para a abolição gradual da escravatura em 1871, também conhecida como Lei do Ventre Livre; de mobiliário que pertenceu a Napoleão Bonaparte; e de uma das únicas pinturas que retratam a transferência da corte portuguesa para o Brasil, em 1808, que conta com a representação de Dom João VI.

Daniela Reis /  Iphan

O Complexo do Itamaraty

Quem avista apenas a fachada do Palácio nem sempre imagina o vasto conjunto de atrativos que habitam o interior das paredes centenárias. Logo na entrada, os jardins e o prédio original cativam a atenção dos visitantes, mas o cenário mais marcante do monumento se encontra na parte de trás desta construção.

Um longo espelho d’água com cisnes é rodeado por altas palmeiras imperiais. Às margens do lago se distribuem as edificações da antiga cavalariça, que atualmente é usada pela Organização das Nações Unidas (ONU); o prédio administrativo do Escritório de Representação do Ministério das Relações Exteriores no Rio de Janeiro; e a Biblioteca, instituição de referência na América do Sul que possui expressiva coleção na área de relações internacionais.

Aos valores históricos e artísticos do monumento se somam a singularidade e dimensão dos acervos museológico, bibliográfico e documental. O complexo dispõe de acervo bibliográfico com cerca de 70 mil itens e de vasto acervo da mapas, considerado o mais importante da América Latina no gênero, com aproximadamente 30 mil itens.



Tópicos
Compartilhe

veja também

Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar