Por Rany Veloso

Durante reunião do PP nesta semana em Brasília, o presidente nacional em exercício da sigla, o deputado federal Cláudio Cajado (PP-BA), se referiu à deputada federal Margarete Coelho (PI) e "minha ministra". A referência causou de um certo modo uma conclusão aos presentes na reunião a portas fechadas. 

Isso porque no próximo dia 22 de julho a ministra Ana Arraes, do Tribunal de Contas da União (TCU), se aposenta do cargo. 

As chances da deputada são altas. Primeiro porque dessa vez é a Câmara quem vai indicar o próximo a ocupar a cadeira, e Maragarete é muito próxima ao presidente Arthur Lira, também do PP. Além disso, Ana Arraes é a única mulher do TCU, então por representatividade seria um bom argumento.

O terceiro fator é que a deputada, de acordo com avaliação do próprio partido, no Piauí, teria cerca de 50 mil votos e o PP elegeria diretamente somente dois candidatos, e o preferidos, atualmente são o deputado estadual Júlio Arcoverde e o empresário Átila Filho. 

O quarto, não menos importante, é que ela atende os pré-requisitos para assumir o cargo, responsável por apreciar as contas prestadas anualmente pelo presidente da República e julgar as contas dos administradores e demais responsáveis por dinheiros, bens e valores públicos da administração federal.