Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore

Gabinete da Presidência do Interpi é invadido por moradores do Morro do Chapéu

Gabinete da Presidência do Interpi é invadido por moradores do Morro do Chapéu

Moradores do município de Morro do Chapéu, na região Norte do Piauí a 129 km da capital, invadiram na manhã desta segunda-feira a Presidência do Instituto de Terras do Piauí (Interpi) em protesto contra o despejo de família de assentamento do Instituto pela Prefeitura Municipal.

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Morro do Chapéu, Bernardo Siqueira Silva, disse que a ocupação foi feita para que o Interpi recorra da decisão da juíza de Esperantina que determinou o despejo de duas famílias que moram na Vila São Pedro do Assentamento Santa Cruz, de 10 mil hectares, por solicitação da Prefeitura de Morro do Chapéu, alegando estar o terreno destinado à construção de uma escola e uma creche.

?A escola já existe, mas a Prefeitura de Morro do Chapéu nos persegue porque somos do PT e o prefeito é do PMDB?, declarou Bernardo Siqueira.

A dona de casa Adriana Marques dos Santos, de 24 anos, declarou que o despejo de sua família ocorreu em maio quando estava grávida.

?Pelo menos 10 policiais foram nos despejar. Até agora nossos móveis, berço e o que nós temos está ao relento e pagando chuva. Tudo está se estragando. No dia no despejo eu passei mal e fui para o hospital. O delegado ainda chegou e disse que não teria problema eu não ter o bebê porque era nova e poderia ter outro?, afirmou Adriana Marques.

Adriana Marques dos Santos estava ontem na invasão do gabinete da Presidência do Interpi com sua filha Isabelly Marques, de um mês e seis dias.

A coordenadora fundiária do Interpi, Regina de Lourdes, disse que a creche e o posto de saúde foram construídos dentro do assentamento em uma área não registrada pelo Interpi.

Ela afirmou que o Interpi vai enviar um técnico para fazer um relatório sobre o caso e encaminhar a assessoria jurídica do órgão.

O assentamento existe desde o ano de 1997.

O lavrador Domingos Lima Machado, de 25 anos, falou que as famílias desapropriadas são formadas pelas filhas e filhos dos moradores do assentamento, na área urbana onde fica a extensão do empreendimento rural.

?Nós nascemos nessas terras e é natural que depois de casados e com filhos possamos ocupar o resto da área do assentamento, mas a Prefeitura nos despejou com policiais?, falou Domingos Lima Machado.

O Instituto de Terras do Piauí visitará o município de Morro de Chapéu e fará uma inspeção sobre o caso. A decisão final será tomada pela juíza da Comarca de Esperantina.


















Tópicos
Compartilhe

veja também

Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar