Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Governo Federal comunica que médicos cubanos voltarão

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, informou ao Consórcio dos Estados do Nordeste, que as negociações que os governadores do Nordeste restão fazendo com a Organização Panamericana de Saúde (OPAS), para contratação de médicos cubanos para atenderem a Atenção Básica nos municípios da região, podem ser ampliadas pelo Governo Federal para que atuem no país por dois anos.

Ele falou que o Governo Federal pretende editar em agosto uma Medida Provisória (MP) alterando o Programa Mais Médicos e reincorporando profissionais cubanos. Eles tiveram de sair do programa com o rompimento do acordo de colaboração entre Brasil e Cuba, mas a ideia é que voltem a trabalhar na atenção básica do Sistema Único de Saúde (SUS) por um período de dois anos.

Terminado esse prazo, os médicos cubanos precisarão revalidar o diploma. A estimativa é de que 2 mil dos 8 mil profissionais que vieram para o Brasil permaneceram aqui depois do fim do acordo, muitos na esperança de serem readmitidos no SUS.

Cerca de 700 médicos têm a situação regularizada, porque se casaram com brasileiros.

O ministro Luiz Henrique Mandetta deve apresentar até o final deste mês ao presidente Jair Bolsonaro um novo programa para substituir o Mais Médicos.

Em agosto, o governo pretende editar uma medida provisória para fazer as mudanças. A ideia é reincorporar temporariamente os médicos cubanos que permaneceram no Brasil e criar novas regras de distribuição dos profissionais para atender regiões remotas do país.

De acordo com a assessoria do ministério, o projeto ainda está em estudo. Deve ser alterado o escopo do programa para criar um vínculo qualificado e manter os médicos em seus postos. O programa deverá mudar de nome porque há uma avaliação de que o Mais Médicos se tornou uma marca do governo Dilma Rousseff.

O Mais Médicos conta atualmente com cerca de 16 mil profissionais, dos quais 1.800 são cubanos que permaneceram no país. De acordo com a proposta, eles seriam reincorporados, por meio de um credenciamento, por dois anos. Após esse período, para continuar no programa, terão que revalidar o diploma obtido no exterior.

Com a saída dos cubanos no final do ano passado, o governo tem dificuldade em preencher todas as 18.240 vagas, principalmente em regiões pobres e de difícil acesso. Os profissionais assinam o contrato, mas depois acabam desistindo.

Com a saída dos cubanos, 42% das cidades atendidas pelo Mais Médicos estavam com vagas abertas. Na segunda-feira, o Ministério da Saúde lançou um novo edital para a reposição de 600 vagas que não foram preenchidas no último processo seletivo.


Tópicos
Compartilhe

veja também

Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar