Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore

Piauí aumenta para 1,8% sua participação na produção agrícola do Brasil

Piauí aumenta para 1,8% sua participação na produção agrícola do Brasil

A primeira estimativa da safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas (caroço de algodão, amendoim, arroz, feijão, mamona, milho, soja, aveia, centeio, cevada, girassol, sorgo, trigo e triticale) para 2013 totaliza produção da ordem de 183,3 milhões de toneladas, 13,1 % superior à obtida em 2012 (162,1 milhões de toneladas). A área plantada em 2013, de 53,0 milhões de hectares, apresenta acréscimo de 8,4% frente à área colhida em 2012 (48,8 milhões de hectares). As três principais culturas (arroz, milho e soja), que, somadas, representam 92,2% da estimativa da produção de cereais, leguminosas e oleaginosas, respondem por 85,2% da área a ser colhida. Em relação ao ano anterior houve acréscimos, na área, de 1,3%, para o arroz, de 8,2% para o milho e de 9,7% para a soja. No que se refere à produção, os acréscimos foram de 5,3% para o arroz, de 3,8% para o milho e de 26,3% para a soja, quando comparados a 2012.



Entre as Grandes Regiões, o volume da produção destes grãos apresenta a seguinte distribuição: Centro-Oeste, 72,0 milhões de toneladas; Sul, 71,2 milhões de toneladas; Sudeste, 19,2 milhões de toneladas; Nordeste, 16,7 milhões de toneladas e Norte, 4,3 milhões de toneladas. Comparativamente à safra passada, são constatados incrementos nas Regiões Nordeste, de 39,8%, Sul, de 28,3%, Centro-Oeste, de 1,7% e Sudeste, de 0,1% e decréscimo Região Norte, de 9,4%. Entre as Unidades da Federação, Mato Grosso lidera como maior produtor nacional de grãos, com uma participação de 23,4%, seguido pelo Paraná, com 20,2 % e Rio Grande do Sul, com 15,0%, estados que, juntos, representam 58,8% do total produzido pelo país.

Estimativa de janeiro em relação à produção obtida em 2012

Dentre os 26 produtos selecionados, 19 apresentam variação positiva na estimativa de produção em relação ao ano anterior: amendoim em casca 2ª.safra (20,6%), arroz em casca (5,3%), aveia em grão (0,7%), batata-inglesa 1ª safra (4,8%), batata-inglesa 2ª safra (1,5%), batata-inglesa 3ª safra (18,6%), café em grão - canephora (2,3%), cana-de-açúcar (6,0%), cevada em grão (22,9%), feijão em grão 1ª safra (41,8%), feijão em grão 2ª safra (17,5%), feijão em grão 3ª safra (32,3%), mamona em baga (251,8%), mandioca (5,6%), milho em grão 1ª safra (9,0%), soja em grão (26,3%), sorgo em grão (2,0%), trigo em grão (11,5%) e triticale em grão (4,3%). Com variação negativa são 7 produtos: algodão herbáceo em caroço (26,8%), amendoim em casca 1ª safra (10,2%), cacau em amêndoa (5,3%), café em grão-arábica (9,1%), cebola (3,1%), laranja (3,0%) e milho em grão 2ª safra (0,7%).

Algodão herbáceo (em caroço) - A expectativa de produção em 2013 é de 3.633.833 toneladas, indicando queda de 26,8% em comparação ao ano anterior. A área plantada (1.010.078 hectares) diminui 28,8%, resultado da ocupação das áreas pela soja. O Mato Grosso e a Bahia, principais produtores, apresentam participação de 52,4% e 29,4%, respectivamente. Mato Grosso estima redução de área plantada de 28,5% e queda na produção de 32,2%, enquanto a Bahia prevê redução de área de 29,5% e queda de 15,2% na produção.

Arroz (em casca) - A estimativa da área plantada é de 2.401.538 hectares, superior 0,1% à safra anterior. A produção esperada de 11.977.725 toneladas e o rendimento médio esperado de 4.988 Kg/ha estão maiores, respectivamente, em 5,3% e 3,9%, comparados à safra anterior. O Rio Grande do Sul, maior produtor, com 67,0% da produção nacional do grão, estima produzir 8.026.200 toneladas, numa área a ser colhida de 1.065.995 hectares e rendimento médio de 7.529 kg/há, informações superiores ao ano anterior em 4,3%, 2,6%, e 1,7%, respectivamente. Recuperação dos preços com relação à safra anterior, e prognóstico de tempo seco em janeiro e fevereiro respondem pelo quadro. O rendimento esperado para a atual safra, de 7.529 kg/ha, é o segundo maior da história, atrás apenas do obtido na safra 2010, de 7.648 kg/ha.

Feijão (em grão) - A produção estimada é de cerca de 3,7 milhões de toneladas, 30,6% maior que a de 2012. Registra-se uma área plantada de 3,5 milhões de hectares, maior 10,1% que a de 2012. Os maiores produtores são Paraná, Minas Gerais e Goiás, com 20,8%, 17,2% e 13,3%, respectivamente, de participação nacional. O Paraná reduziu sua área de plantio em 7,2%, mas com aumento previsto no rendimento médio, de 22,1%, a estimativa de produção é 13,3% maior que a de 2012 (767.596 toneladas).

A 1ª safra nacional de feijão, estimada em 1,7 milhões de toneladas, mostra crescimento de 41,8%, frente à produção de 2012. Este resultado é reflexo do aumento de 10,4% na área plantada e de 6,0% no rendimento médio. Os maiores produtores são Paraná (19,2%), Ceará (14,1%) e Minas Gerais (12,6%).

Milho (em grão)? Espera-se uma produção recorde de 74,2 milhões de toneladas (36,1 milhões de toneladas de milho 1ª safra e 38,1 milhões de toneladas de milho 2ª safra). A perspectiva para 2013 é que a 2ª safra de milho seja superior à 1ª com participação de 51,3% daquela contra 48,7% desta, tal como em 2012, primeiro ano da história em que a 2ª safra superou a 1ª.

A 1ª safra de milho ainda se encontra em campo e tem perspectiva de produtividade, em média 2,0% maior que 2012, reflexo das boas condições climáticas e do maior investimento em tecnologia. A área plantada estimada é de 7.483.428 hectares, 1,9% menor que a de 2012; a área colhida deve crescer 6,9% e a produção 9,0%. Em relação a 2012, a produção aumentou consideravelmente, devido ao aumento do rendimento, em decorrência das boas condições do clima e de maior investimento em tecnologia.

A 2ª safra de milho segue maior que a 1ª, com estimativa de produção de 38,1 milhões de toneladas, 0,7% de decréscimo em relação à mesma safra de 2012. A área plantada e colhida é estimada em 7.930.152 hectares, com aumentos de 7,3% e 9,5%, respectivamente, em comparação ao ano anterior. O rendimento apresenta queda de 9,3% (4.799 kg/ha), demonstrando cautela dos informantes que não acreditam em condições climáticas tão boas quanto em 2012.

Soja (em grão) - A estimativa da safra é de 82.953.874 toneladas (aumento de 26,3% em relação a 2012). A área colhida cresceu 9,7%, (27.365.292 hectares), e o rendimento médio esperado é de 3.031 kg/ha, num crescimento de 15,0%. Em 2012, a produção mundial de soja sofreu forte queda em decorrência de problemas climáticos em países como Estados Unidos, Argentina e Brasil, reduzindo os estoques mundiais; os preços da commodity subiram e aumentarm os investimentos em tecnologia e insumos. A produção da soja deve crescer 60,9% na Região Sul (mais 99,3% no Rio Grande do Sul, 51,1% em Santa Catarina e 41,0% no Paraná), o que, em parte, reflete recuperação da produção. No Centro-Oeste, o crescimento esperado da produção é de 13,5% (Mato Grosso espera produzir 24,4 milhões, Goiás, 9,2 milhões e Mato Grosso do Sul, 5,9 milhões de toneladas). Embora o preço da saca de soja tenha caído 15% nos dois últimos meses, o valor recebido pelo produtor ainda fica em torno de 40% superior ao praticado em 2011.

Café total (em grão) ? A estimativa de janeiro para a safra nacional a ser colhida, em 2013, totaliza 2.870.969 toneladas, 47,8 milhões de sacas de 60kg de café em grãos beneficiados, consideradas as duas espécies em conjunto (arábica e canephora).

Café Arábica (em grão) - Para o arábica, que representa mais de 73,0% do total de café colhido no país, o decréscimo de produção em relação a 2012 é de 9,1%. O Brasil deve produzir 2.096.347 toneladas do grão, o que equivale a 34,9 milhões de sacas de 60 kg. A área destinada à colheita é de 1.595.883 hectares, 0,5% superior à área colhida no ano passado. A área total ocupada com a cultura em todos os estágios de desenvolvimento cresce 0,1 % no país. O decréscimo previsto na produção em relação à safra colhida em 2012, é consequência, principalmente, da alternância entre anos de altas e baixas produtividades. Os custos de produção elevados e problemas com mão de obra pesaram bastante em 2012 e podem influenciar negativamente a safra de 2013. Minas Gerais, o 1º produtor brasileiro de café arábica, aponta decréscimo de 8,4% na produção esperada, de 1.445.979 toneladas (24,1 milhões de sacas de 60 kg), o que representa 69,0% do total de arábica estimado para o país. A área a ser colhida deve ficar em 1.025.133 ha (mais 0,8%), e o rendimento médio diminui 9,1%, o que será reavaliado nos próximos levantamentos.

Café Canephora (em grão) ? A produção estimada é de 774.622 toneladas (12,9 milhões de sacas), 2,3% maior que a de 2012, em área a ser colhida de 502.094 hectares. (área total ocupada de 560.889 hectares.) O maior produtor nacional de canephora, Espírito Santo, deve produzir, em 2013, 79,8% da produção brasileira desta espécie, estimada inicialmente em 618.470 toneladas (10,3 milhões de sacas). O aumento da produção, em relação a 2012, está calculado em 5,0% e o rendimento médio previsto é de 2.109 kg/ha (35,5 sacas/ha), 6,6% maior que no ano passado. A irrigação no norte do estado já é empregada em quase 80,0% da área cultivada com esta espécie de café, o que contribui para a obtenção de rendimentos médios cada vez mais altos.

Cana-de-açúcar - A produção nacional está estimada em 715 333 588 toneladas, com crescimento de 6,0% em relação ao ano anterior, o que se deve, exclusivamente, ao melhor rendimento esperado para 2013 (76 947 kg/há, 7,4% superior ao apurado no ano passado), já que a lavoura foi bastante atingida pela falta de chuva em 2012. O aumento da safra deste ano será importante para a recuperação do setor, que ainda sente os efeitos da crise mundial. Além disso, o reajuste no preço da gasolina proporciona maior competitividade ao álcool hidratado para os carros bicombustíveis; o governo também anunciou aumento do álcool anidro na gasolina, que passou de 20% para 25%, a partir de maio. Em relação ao açúcar, o aumento da oferta mundial reduziu os preços no mercado externo, o que pode influenciar no destino dado à produção. São Paulo continua sendo o maior produtor nacional, sendo responsável por 53,5% da produção, que deve alcançar 382,9 milhões de toneladas. O rendimento médio deve crescer 13,0%, contra uma redução esperada de 4,6% na área destinada à colheita, devido às dificuldades climáticas e econômicas enfrentadas pelo setor nos últimos dois anos. Em Minas Gerais, o crescimento da produção (7,1%) ocorre em função da maior área a ser colhida (9,2%), em razão do surgimento de novas usinas no estado nos últimos três anos. No Paraná, o crescimento da estimativa da produção é de 12,7%, refletindo a expectativa de melhoria da produtividade, em função das condições climáticas.


Tópicos
Compartilhe

veja também

Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar