Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore

Piauí bate recorde em doações em órgãos com crescimento de 23% em apenas um ano

Piauí bate recorde em doações em órgãos com crescimento de 23% em apenas um ano

Piauí bate recorde em doações em órgãos com crescimento de 23% em apenas um ano

Dados do Ministério da Saúde apontam para novo recorde de doações de órgãos no Brasil e crescimento sustentado de transplantes. O número de doadores efetivos cresceu 14% em apenas um ano. Em 2010, foram registrados 1.896 doadores contra 1.658 no ano anterior. Com esse desempenho, o Brasil atingiu a marca histórica de 9,9 doadores Por Milhão de Pessoas (pmp). Este aumento se deve ao fortalecimento do Sistema Nacional de Transplantes (SNT) e ao aporte cada vez maior de recursos no setor.

O crescimento das doações de órgãos foi maior no Piauí do ano passado do que a média nacional. A coordenadora da Central de Transplantes do Hospital Getúlio Vargas (HGV), Maria de Lourdes Veras, afirmou que em 2010 foram feitas 203 doações de órgãos, 23% a mais do que em 2009, quando foram feitas 141 doações.

?As doações de órgãos no Piauí bateram recorde?, falou a médica Maria de Lourdes Veras.

No ano passado foram feitas 160 doações de córneas e 43 doações de rins. Em 2009 foram feitas 126 doações de córneas e 31 doações de rins.

Apenas as doações de córneas cresceram 15% em 2010 em relação a 2009.

Em 2001, quando começaram as doações no Piauí, foram feitas 65 doações; em 2002 passaram para 100; em 2003 foram 94; em 2004, 94; em 2005; 106; em 2006, 76; em 2007, 77; e em 2008, 67.

O Ministério da Saúde infirmou que no Piauí o índice de doações é de 2,6 doadores Por Milhão de Pessoas.

?Estou feliz com este recorde porque cada vez mais a população entende a importância da doação de órgãos para salvar uma vida?, falou Maria de Lourdes Veras.

Ela credita ao aumento de transplantes no Piauí no ano passado à melhor preparação para o recebimento de órgãos como a aquisição pelo HGV de equipamento para processamento de órgãos, o banco de órgãos, e a organização de grupo que procura órgãos.

A média nacional de doações (9,9 pmp) apresentou aumento de 13,8% em relação a 2009, quando o índice era de 8,7 pmp. Nos últimos sete anos, a média de crescimento anual tem sido de 7%. Alguns estados, como Santa Catariana e São Paulo, mantêm índices de doações próximos aos de países altamente desenvolvidos no setor, como Espanha e Canadá, que mantêm médias acima de 20 doadores pmp. Os índices de doações de Santa Catarina e São Paulo são, respectivamente, de 17 pmp e 21 pmp.

O número de transplantes de órgãos sólidos (coração, fígado, pulmão, rim, pâncreas) cresceu 7% em apenas um ano, seguindo a tendência de crescimento sustentado. No último ano, foram realizados no Brasil 6.422 transplantes do tipo, enquanto que em 2009 foram 5.999. Comparadas as quantidades de transplantes de órgãos sólidos realizadas em 2003 e 2010, o crescimento foi de 53,12%. Em 2003, foram realizados 4.194 procedimentos deste tipo (veja tabela 2).

Já a totalidade de transplantes ? considerando órgãos sólidos, tecidos (córneas) e células (medula) ? saiu dos 20.253 em 2009 para 21.040 no ano passado (tabela 3). A ampliação do número de transplantes no Brasil se deve ao aperfeiçoamento dos processos de doação, como notificações por morte encefálica mais precoces, cuidado intensivo dos doadores, melhorias logísticas e ao grande aporte financeiro no Sistema Nacional de Transplantes, que tem sido cada vez maior.

O investimento do Ministério da Saúde mais do que triplicou nos últimos oito anos (tabela 4). Em 2010, o valor chegou a R$ 1,198 bilhão. Já, em 2003 o investimento foi de R$ 327,85 milhões. O desempenho reforça a posição do Brasil entre os maiores sistemas públicos de transplantes em todo o mundo. O Sistema Único de Saúde (SUS) responde por 95% dos transplantes de órgãos sólidos.

O número de transplantes de medula óssea apresentou um expressivo aumento, saindo de 1.531 cirurgias em 2009 para 1.695 em 2010, um crescimento de 10,7% em um ano e de 74,38% desde 2003, quando foram registrados 972 transplantes. A grande expansão do Registro Brasileiro de Doadores Voluntários de Medula Óssea (Redome) é o principal motivo desse aumento no número de cirurgias do tipo. Atualmente, o Brasil possui dois milhões de doadores cadastrados, sendo o terceiro maior banco de dados do gênero no mundo, ficando atrás apenas dos Estados Unidos (5 milhões de doadores) e da Alemanha (3 milhões de doadores). Em 2003, o cadastro brasileiro contava com apenas 49,5 mil voluntários.


Tópicos
Compartilhe

veja também

Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar