Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Novas formas de trabalho: vale a pena ser motorista de app?

A taxa de desemprego atinge a casa dos 12,5%, o que representa cerca de 12,6 milhões de brasileiros. As novas formas de trabalho caminham na contramão, como forma de colocar os “desocupados” para trabalhar. No entanto, as novas formas de emprego e renda caminham junto com a precarização da mão de obra.

Para Leonardo Meira, que começou a trabalhar recentemente em aplicativos, a situação deste tipo de trabalho ainda é problemática. Principalmente no que diz respeito à segurança. “Às vezes os preços das corridas são muito pequenos e não compensa. Tem também o problema das pessoas que chamam Uber para terceiros, como aconteceu na rodoviária, quando duas mulheres assaltaram um motorista. Deveria haver um controle maior”, conta.

Leonardo Meira. Crédito: arquivo pessoal.

Em casos de teletrabalho e trabalho intermitente, por exemplo, é possível apontar situações complicadas para os trabalhadores. “Por enquanto, essas pessoas estão sem proteção. Os trabalhos intermitentes vieram como uma flexibilização, para segurar um pouco a taxa de desemprego. As pessoas são remuneradas pelo trabalho e produtividade. Essas pessoas trabalham podem até trabalhar menos mas também acabam ganhando menos”, explica Tânia Soares, profissional de Recursos Humanos com especialidade em Gestão de Pessoas que participou do programa Notícia da Boa na TV/Rádio Jornal Meio Norte.

Crédito: Lucrécio Arrais. Essas pessoas acabam ficando sem direitos inerentes à carteira assinada. “Não há direitos ou qualquer tipo de proteção. Isso gera vários problemas como insegurança, ansiedade, depressão. As pessoas se desgastam. Quando você é um trabalhador autônomo você fica muito vulnerável”, acrescenta a especialista.

O teletrabalho também pode ter uma rotina estafante. “Ouvimos muitos nas empresas que é tudo preso em sistema. Não dá para argumentar. No teletrabalho, é preciso foco, planejamento e disciplina, considerando que ninguém vai te cobrar. Você vai se auto-cobrar, tanto em carga horária como em resultado. O teletrabalho começou no alto escalão, veio mais organizado. Mas os entregadores, a prestação de serviço, há uma precarização maior”, analisa Tânia Soares.

Será que vale à pena?

Em alguns casos, o trabalho termina saindo mais caro. Um motorista de Uber, por exemplo, que gasta mais com a manutenção do carro do que ganha com a profissão precisa rever o planejamento financeiro. O mesmo vale para o web-designer que trabalha de casa e precisar arcar com luz, internet e manutenção de equipamentos em um contrato de teletrabalho.

Crédito: Lucrécio Arrais.

Tudo precisa estar na ponta do lápis. “Você precisa arcar com os encargos financeiros. É preciso somar o líquido daquilo que você produz para ver se vale a pena. É necessário um planejamento financeiro para arcar com custos com um computador, por exemplo. O teletrabalho veio junto com a intelectualidade”, conta Tânia Soares, profissional de RH.

Mercado exige qualificação

A busca por especializações e novas qualificações permanece, apesar das novas forma de trabalhar. “Nós temos que ter a consciência que o conhecimento é algo adquirido, mas não é apenas isso. É preciso ter habilidade para aplicar o conhecimento na prática. É preciso desenvolver habilidades e ter atitude, ser proativo. Não devemos esperar cobranças e sim fazer isso. É preciso se especializar e ter vários conhecimentos”, revela Tânia Soares.

O mercado de trabalho nasceu machista. “Antes era valorizada a força física, tanto que por isso que os homens entraram primeiro no mercado de trabalho. Hoje valorizamos o conhecimento, habilidades e competências voltadas para a atitude. É preciso ter uma visão do todo, não só da sua parte, além de ter um sentimento de fazer parte daquilo”, considera a profissional de RH.

Até mesmo as questões pessoais são levadas em conta com as novas formas de trabalho. “Nós entendemos que a empresa é extensão da família. Quanto tempo você passa na empresa? Oito horas? Cinco vezes por semana? Às vezes passamos mais tempo com nossos colegas que com nosso próprio lar. Hoje em dia as novas modalidades de trabalho não têm esse vínculo. As pessoa trabalham por aplicativos, com pouco contato com outro seres. A tendência é ter mais contato com máquinas que pessoas”, finaliza.


Tópicos
Compartilhe
Google Whatsapp

veja também

Localização

Definir a localização padrão

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Fique por dentro

Receba notícias quentinhas diretamente no seu whatsapp

Continuar

Falta pouco, agora escolha as categorias que deseja receber notícias

Aperte (ctrl + clique) para selecionar vários
Pronto!

Agora você passará a receber novidades diretamente no seu whatsapp.

Termos de uso

Texto

Política de privacidade

Texto