Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Blog Memória: 24 de agosto marca os 65 anos da morte de Getúlio Vargas

No dia 24 de Agosto de 1954, hoje decorridos 65 anos, o Brasil via dar sequências aos dramáticos acontecimentos políticos do mês de Agosto, por muitos considerado o “ mês do desgosto”: desta data, o Presidente da República brasileira, Getúlio Vargas, pôs fim à própria vida, com um tiro no coração. Getúlio deixa um carta e nela ganhou destaque a famosa frase : “ deixo a vida para entrar na história.”

Certamente ele não necessitaria de um ato fatal, extremado, contra sua própria vida, para ter o reconhecimento da história. Getúlio Dorneles Vargas, gaúcho de nascimento, morto aos 72 anos de idade, consagrou-se como um dos presidentes mais populares do Brasil, com penetração muito forte no meio das camadas mais pobres, pois foi ele que criou e implantou as primeiras e avançadas legislações trabalhistas, com largo alcance na vida dos trabalhadores.

Divulgacão

Quem deu a notícia sobre o suicídio de Vargas foi seu ministro da Fazenda, Oswaldo Aranha. Pelo telefone, claramente emocionado, Oswaldo Aranha, leu para a Rádio Nacional a carta-testamento encontrada na mesinha de cabeceira do presidente morto: "Eu vos dei a minha vida. Agora ofereço a minha morte. Nada temo. Serenamente dou o primeiro passo no caminho da eternidade e saio da vida para entrar na história".

O relógio indicava que faltavam 15 minutos para as 9 da manhã daquele 24 de agosto de 1954. Nunca o país assistira a tamanha comoção popular como a que veio logo após a divulgação da notícia: Getúlio Vargas se matara, em seu quarto, por volta de 8h30, com um tiro no peito.

Divulgação

Multidões saíram às ruas. Enfurecidos, manifestantes depredaram a sede da Tribuna da Imprensa, o jornal de Carlos Lacerda, o mais cruel iidos adversários de Getúlio. Uma massa humana de 100 mil pessoas, a maioria em pranto incontrolável, desfilou diante do caixão do presidente, velado no antigo Palácio do Catete, no Rio. A imprensa noticiou que cerca de 3 mil pessoas presentes ao velório, vítimas de desmaios, mal-estares, crises nervosas e problemas de coração, precisaram ser atendidas pelo serviço médico do palácio.

Na enfermaria, o estoque de calmantes esgotou-se em minutos. O país inteiro quedou em estado de choque. Ninguém esperava por aquele desfecho para a crise que se abatera como uma nuvem negra sobre o governo, apesar de o próprio Getúlio ter dito, dias antes, com todas as letras: "Só morto sairei do Catete".

Divulgação


Tópicos
Compartilhe
Google Whatsapp

veja também

Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se