Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Getúlio Vargas, o pai do trabalhismo, dá fim à própria vida

A data de hoje marca o suicídio do Presidente da República Getúlio Dornelles Vargas, que tirou a própria vida com um tiro no peito, em seu gabinete, no Palácio do Catete, no Rio de Janeiro, que foi sede da Presidência da República de 1897 a 1960. Foi um dos episódios políticos mais dramáticos da história do Brasil, com as ruas em todo o país sendo tomadas por populares, que choravam a morte daquele que, mesmo tendo sido ditador por mais de 10 anos, segue sendo considerado o “pai dos pobres”, responsável por toda a base da legislação trabalhista brasileira. 

Getulio Vargas

Getúlio foi o mais importante político brasileiro dos anos 1930 a 1950, líder da Revolução de 1930 que determinou o fim da chamada República Velha, que culminou com a deposição do 13º - Washington Luís e impediu que que o Júlio Prestes, eleito em março de 1930, tomasse posse. Vargas foi presidente por dois períodos, o primeiro deles com duração de 15 anos ininterruptos (1930 a 1945).  

Esse longo período passou a se constituir numa Ditadura, a partir de 1937, até o final em 45. Isso se deu por meio de um golpe de Estado posto em prática pelo próprio Getúlio, implantando, assim, o chamado “Estado Novo”. 

Getúlio voltaria à Presidência do Brasil, pelo voto direto, governando de 31 de Janeiro de 1951 até 24 de Agosto de 1954, quando se matou, passando, portanto, três anos e meio sesse novo período. Getúlio era chamado por seus simpatizantes de "pai dos pobres", um tratamento decorrente da legislação trabalhista e das políticas sociais adotadas sob seus governos. A sua doutrina e seu estilo político foram denominados de "getulismo" ou "varguismo". Os seus seguidores, até hoje existentes, são denominados "getulistas". As pessoas próximas o tratavam por "Doutor Getúlio", e as pessoas do povo se referiam a ele como "Getúlio". 

Getulio em pronunicamento

Na sua voltas ao poder, em 1951, Getúlio não contava com  a simpatia da imprensa tradicional do Brasil que, aliada à direita conservadora liderada por Carlos Lacerda, fazia intensa e permanente oposição. Suas propostas políticas voltadas para a economia e para o campo social, eram atacadas com vigor pelos meios de imprensa, especialmente os grandes jornais e emissoras de rádio. 

Além de toda a legislação trabalhista, da criação e implantação do salário-mínimo e de toda a base legal para a instituição dos sindicatos trabalhistas, Vargas avançou bastante no terreno econômico e na defesa da soberania nacional, criando e implantando grandes empresas estatais, sendo a Petrobrás o exemplo mais evidente.  

Getúlio deixou uma Carta ao povo brasileira, manuscrita do próprio punho, até hoje um importante documento sobre sua história política, sobre a política brasileira e sobre io seu tresloucado gesto. 

Getulio em foto oficial

Cópia da Carta-testamento de Getúlio Vargas, 24 de agosto de 1954: 

“Mais uma vez as forças e os interesses contra o povo coordenaram-se e se desencadeiam sobre mim. Não me acusam, insultam; não me combatem, caluniam; e não me dão o direito de defesa. Precisam sufocar a minha voz e impedir a minha ação, para que eu não continue a defender, como sempre defendi, o povo e principalmente os humildes.

Sigo o destino que me é imposto. Depois de decênios de domínio e espoliação dos grupos econômicos e financeiros internacionais, fiz-me chefe de uma revolução e venci.

Iniciei o trabalho de libertação e instaurei o regime de liberdade social. Tive de renunciar. Voltei ao governo nos braços do povo.

A campanha subterrânea dos grupos internacionais aliou-se à dos grupos nacionais revoltados contra o regime de garantia do trabalho. A lei de lucros extraordinários foi detida no Congresso. Contra a Justiça da revisão do salário mínimo se desencadearam os ódios.

Quis criar a liberdade nacional na potencialização das nossas riquezas através da Petrobras, mal começa esta a funcionar a onda de agitação se avoluma. A Eletrobrás foi obstaculada até o desespero. Não querem que o trabalhador seja livre,não querem que o povo seja independente.

Assumi o governo dentro da espiral inflacionária que destruía os valores do trabalho. Os lucros das empresas estrangeiras alcançavam até 500% ao ano. Nas declarações de valores do que importávamos existiam fraudes constatadas de mais de 100 milhões de dólares por ano. Veio a crise do café, valorizou-se nosso principal produto. Tentamos defender seu preço e a resposta foi uma violenta pressão sobre a nossa economia a ponto de sermos obrigados a ceder.

Tenho lutado mês a mês, dia a dia, hora a hora, resistindo a uma pressão constante, incessante, tudo suportando em silêncio, tudo esquecendo e renunciando a mim mesmo, para defender o povo que agora se queda desamparado. Nada mais vos posso dar a não ser o meu sangue. Se as aves de rapina querem o sangue de alguém, querem continuar sugando o povo brasileiro, eu ofereço em holocausto a minha vida.

Escolho este meio de estar sempre convosco. Quando vos humilharem, sentireis minha alma sofrendo ao vosso lado. Quando a fome bater à vossa porta, sentireis em vosso peito a energia para a luta por vós e vossos filhos.

Quando vos vilipendiarem, sentireis no meu pensamento a força para a reação.

Meu sacrifício vos manterá unidos e meu nome será a vossa bandeira de luta. Cada gota de meu sangue será uma chama imortal na vossa consciência e manterá a vibração sagrada para a resistência. Ao ódio respondo com perdão. E aos que pensam que me derrotam respondo com a minha vitória. Era escravo do povo e hoje me liberto para a vida eterna. Mas esse povo, de quem fui escravo, não mais será escravo de ninguém.

Meu sacrifício ficará para sempre em sua alma e meu sangue terá o preço do seu resgate.

Lutei contra a espoliação do Brasil. Lutei contra a espoliação do povo. Tenho lutado de peito aberto. O ódio, as infâmias, a calúnia não abateram meu ânimo. Eu vos dei a minha vida. Agora ofereço a minha morte. Nada receio. Serenamente dou o primeiro passo no caminho da eternidade e saio da vida para entrar na história.”


Tópicos
Compartilhe

veja também

Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar