Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Massacre de Vassy marca o início das guerras religiosas na França

No dia 01° de março do ano de 1562 se dava o início ao chamado Massacre de Vassy,  conhecido pelo assassinato de diversos fiéis protestantes franceses e cidadãos em uma ação armada pelas tropas de Francisco, Duque de Guise, em Vassy, na França. A tragédia é identificada como o primeiro grande evento nas Guerras Religiosas Francesas. 

Após a ascensão ao trono de Henrique II, os seguidores dos ensinamentos religiosos de João Calvino, conhecidos como huguenotes, foram perseguidos na França. Catarina de Médici, regente de Carlos IX, propôs o Édito de janeiro (ou Édito de Saint-Germain), com a esperança de que o calvinismo e catolicismo pudessem co-existir em França e que as lutas fossem cessar. Todos os acontecimentos se tornaram conhecidos por uma série de quarenta gravuras publicadas em Genebra sete anos mais tarde.

Reprodução

O início

Francisco (François), o segundo duque de Guise, em 1º de março daquele ano,  viajando para suas propriedades, parou em Wassy (Vassy) e decidiu assistir a Missa. Ele encontrou uma grande congregação de huguenotes segurando cerimônias religiosas em um celeiro que era a sua igreja. Alguns homens do grupo do duque tentaram empurrar o seu caminho dentro e foram repelidos. Eventos escaladas, as pedras começaram a voar, e o duque foi atingido. 

Indignado, ele ordenou a seus homens a fortalecer a cidade e atearam fogo à igreja, matando 63 huguenotes desarmados e ferindo mais de cem pessoas. A confusão provocou hostilidades abertas entre alguns seguidores de cada religião, o que provocou a primeira guerra de uma longa série de guerras religiosas na França, que continuaram em grande parte ininterruptas há mais de um século.

Reprodução

Os Burbons, liderada pelo Príncipe de Condé, e proclamando que eles estavam liberando o rei e regente de vereadores "maus", organizou uma espécie de protetorado sobre as igrejas protestantes e começou a apreender e guarnecer cidades estratégicas ao longo do Loire. Embora os huguenotes tinham começado a se mobilizar para a guerra antes de Vassy, Condé usou o massacre como prova de que o Édito tinha sido quebrado, dando mais peso para sua campanha e, como início das hostilidades, o Edito foi de fato revogado sob pressão da facção dos Guise.

Os principais compromissos da guerra ocorreu em Ruão, Dreux e Orleães. No cerco de Ruão (Maio-outubro de 1562), a coroa recuperou a cidade com o custo de Antônio de Navarra, que morreu de seus ferimentos. A batalha de Dreux (Dezembro de 1562), viu a captura de Condé pelos Guise e Montmorency, o governador-geral, por parte dos Bourbons. Em fevereiro de 1563, no cerco de Orleães, Francisco, Duque de Guise foi baleado e morto pelo huguenote Poltrot de Méré; o Guise considerou este um assassinato sob as ordens do inimigo do Duque, o almirante Gaspar II de Coligny, como estava fora de combate direto. 

A agitação popular causada pelo 'assassinato', juntamente com o fato de Orleães estar segurando no cerco levou Catarina a mediar uma trégua e o Edito de Amboise (1563).


Tópicos
Compartilhe
Google Whatsapp

veja também

Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar