Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Blocos fervem Teresina na terça-feira de Carnaval

Temperaturas elevadas e ameaça de chuva não dispersaram os foliões

Blocos fervem Teresina na terça-feira de Carnaval
|
Compartilhe

A terça-feira de Carnaval em Teresina começou com sol forte e ameaça de chuvas, mas nada que tenha tirado os foliões das ruas logo no final da tarde. Em blocos espalhados por toda a cidade, os blocos de carnaval ocuparam ruas de vários bairros da capital. Na zona Leste, um dos mais animados foi o Batatinha do Louah.


O Bloco Batatinha do Louah, que acontece há três anos no bairro de Fátima, promete dobrar o público nesta edição. A expectativa é que seis mil pessoas passem pela Rua Angélica, que tem a concentração dos foliões. 

Com entrada limitada de foliões, o Batatinha do Louah preza a segurança dos foliões. “Quem quiser fazer parte da festa tem que vir cedo, pois esperamos lotar a capacidade de pessoas em nossa espaço. Isso dobrando o público da última edição, podendo chegar a até 6 mil pessoas”, aponta Ênio Portela, um dos sócios do bloco.


A ideia partiu do aniversário de um dos organizadores da festa. “O apelido dele era batatinha, então ficou Batatinha do Louah. Resolvemos comemorar o aniversário dele fazendo uma festa aberta para o público”, completa Ênio.

A concentração do Batatinha do Louah começou às 17h. Muita gente chegou cedo, inclusive a universitária Têmis Oliveira, que trouxe uma palavra feminista ao carnaval. “Assédio acontece em todo lugar, inclusive no carnaval. As pessoas têm que entender que não é não”, disse a moça que levava a palavra de ordem escrita no busto. 


Bloco Rapazes Alegres estica segundo dia de carnaval

Crédito: José Alves Filho

O bloco Rapazes Alegres, um dos mais antigos do Carnaval de Teresina, que acontece há 35 anos na Rua Santa Luzia, no antigo Mercado do Cajueiro, hoje Palácio da Música, Centro-Sul da capital, animou bastante no final da tarde. Este ano, o bloco veio com dobradinha, funcionando na segunda e terça-feira de Carnaval.

Crédito: José Alves Filho

A produção não sabe quantificar o público, mas muita gente passou pela Rua Santa Luzia. “Segunda aqui tava lotado, na terça vai vir ainda mais gente porque tem pouco fuá no último dia de Carnaval. A galera desce toda para cá”, avalia Anderson Cleiton, o “cabeça”, um dos organizadores do bloco.

O bloco Rapazes Alegres foi fundado pelo médico Pedro Constantino, o “Pedoca”. “Este ano estamos homenageando ele pelos 35 anos do bloco. Ele merece”, acrescenta Anderson Cleiton.

As amigas Edilene Paz e Silvana Caetano não perdem um ‘Rapazes Alegres’, que é marcado pelo samba em primeiro plano. “Aqui é um bloco de samba! A música é ótima, o pessoal se diverte muito. É felicidade e animação”, conta Edilene. “Aqui é ótimo, o pessoal é unido. Todo ano a gente se encontra e fazemos uma festa bonita no meio da rua”, acrescenta Silvana. 

Crédito: José Alves Filho

Bloco de bar tradicional movimenta a Avenida Miguel Rosa

O bloco de um bar nas imediações da Avenida Miguel Rosa foi o mais animado na tarde da terça-feira de Carnaval. Para entrar no alambrado, era preciso pagar uma entrada simbólica, mas muitas pessoas fizeram a festa em plena avenida, que ficou tomada por foliões.

Para Fábio Lima, dono do bar que promove o evento, a expectativa é que 4 mil pessoas entrem no espaço do bloco, que contará com três atrações. “Estamos organizando cada vez melhor para receber as pessoas. Estamos tradicionalizando a terça-feira de Carnaval, para não chocar com nenhuma outra festa. Acreditamos em um Carnaval diverso e em todas as zonas”, aponta.

Crédito: José Alves Filho

Este já é o sexto ano do bloco. “Estamos com atrações novas, além do Roraima Lima, que veio agora com muitas novidades. É uma satisfação poder contribuir de forma positiva com o Carnaval de Teresina”, aponta.

A comerciante Clésia Alencar diz que vem ao bloco desde a fundação. “Aqui é só alegria e gente bonita, ninguém pode ficar de fora. Amo um frevo. Adoro um samba. Aqui tem isso tudo”, afirma. 


Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar