mais

Coreia do Norte relata primeira morte por Covid-19

Os dados representam uma admissão sem precedentes de um surto “explosivo” em um país que não havia relatado casos confirmados anteriores desde o início da pandemia

Pelo menos uma pessoa com Covid-19 morreu na Coreia do Norte e centenas de milhares apresentaram sintomas de febre, disse a mídia estatal nesta sexta-feira (13).

Os dados representam uma admissão sem precedentes de um surto "explosivo" em um país que não havia relatado casos confirmados anteriores desde o início da pandemia, e pode marcar uma grave crise de saúde pública, econômica e política para o regime isolado.

Pessoas usando máscara (Foto: Reuters)Pessoas usando máscara (Foto: Reuters)

O novo presidente da Coreia do Sul, Yoon Suk-yeol, que assumiu o cargo esta semana, planeja fornecer vacinas contra a COVID-19 e outros apoios médicos aos norte-coreanos, e seu governo discutirá detalhes com Pyongyang, disse sua porta-voz na sexta-feira, sem dar mais detalhes.

Yoon disse a repórteres mais tarde na sexta-feira que planeja propor a realização de negociações em nível de trabalho com a Coreia do Norte por meio do ministério de unificação do país, que lida com assuntos intercoreanos, disse o jornal sul-coreano News1.

Especialistas disseram que, dadas as limitadas capacidades de teste da Coreia do Norte, os números divulgados até agora provavelmente representam uma pequena fração das infecções, o que pode levar a milhares de mortes em um dos dois únicos países do mundo sem uma campanha de vacinação contra o COVID-19.

Cerca de 187.800 pessoas estão sendo tratadas em isolamento depois que uma febre de origem não identificada "se espalhou explosivamente por todo o país" desde o final de abril, informou a agência de notícias oficial KCNA.

Cerca de 350.000 pessoas mostraram sinais dessa febre, incluindo 18.000 que relataram esses sintomas na quinta-feira, disse a KCNA. Cerca de 162.200 foram tratados, mas não especificou quantos deram positivo para COVID-19.

Pelo menos seis pessoas com sintomas de febre morreram, com um desses casos confirmado por ter contraído a variante Omicron do vírus, disse a KCNA.

Kee Park, da Harvard Medical School, que trabalhou em projetos de saúde na Coreia do Norte, disse que o país está testando cerca de 1.400 pessoas por semana, o que não é suficiente para pesquisar 350.000 pessoas com sintomas.

"O que é mais preocupante é o grande número de pessoas sintomáticas", acrescentou. “Usando uma taxa de mortalidade de casos conservadora de 1% e assumindo que o aumento é devido a uma variante Omicron do COVID-19, a Coreia do Norte pode esperar 3.500 mortes por esse surto”.

'GRAVE EMERGÊNCIA'

O líder norte-coreano Kim Jong Un visitou o centro de comando antivírus na quinta-feira para verificar a situação e as respostas depois de declarar um "grave estado de emergência" e ordenar um bloqueio nacional, disse a KCNA. consulte Mais informação

O líder norte-coreano Kim Jong Un visita a Sede Estadual de Prevenção de Epidemias de Emergência, enquanto a Coreia do Norte relata seu primeiro surto da doença de coronavírus (COVID-19), em Pyongyang

Pessoas usando máscaras protetoras viajam em meio a preocupações com a nova doença de coronavírus em Pyongyang, Coreia do Norte

A mídia estatal disse que o surto começou na capital, Pyongyang, no final de abril, sem detalhar as possíveis causas. A cidade sediou vários grandes eventos públicos nos dias 15 e 25 de abril, incluindo um desfile militar e grandes reuniões onde a maioria das pessoas não usava máscaras.

Kim, que participou de alguns desses eventos, "criticou que a propagação simultânea da febre com a área da capital como centro mostra que há um ponto vulnerável no sistema de prevenção de epidemias que já estabelecemos", disse a KCNA.

Kim disse que isolar e tratar pessoas com febre é uma prioridade, enquanto pede métodos e táticas de tratamento científico e medidas para fornecer medicamentos.

Em outro despacho, a KCNA disse que as autoridades de saúde estão tentando organizar sistemas de teste e tratamento e reforçar o trabalho de desinfecção.

A rápida disseminação do vírus destaca o potencial de uma grande crise em um país que carece de recursos médicos e recusou ajuda internacional com vacinas, mantendo suas fronteiras fechadas.

Analistas disseram que o surto pode piorar a já difícil situação alimentar do país este ano, com o bloqueio dificultando sua “luta total” contra a seca e a mobilização de trabalhadores. consulte Mais informação

PEDIDOS DE AJUDA

A Coreia do Norte disse no ano passado que desenvolveu seu próprio equipamento de reação em cadeia da polimerase (PCR) para testes de COVID. Mas recusou o fornecimento de vacinas do programa de compartilhamento global COVAX e da China, possivelmente deixando a grande maioria das pessoas em uma sociedade relativamente jovem com maior risco de infecção. consulte Mais informação

Até agora, a Coreia do Norte não divulgou nenhum novo pedido de ajuda para combater o surto, mas alguns observadores estavam otimistas de que a divulgação era um sinal de que o governo em breve aceitaria vacinas ou outras ajudas.

A promessa de apoio de Yoon veio um dia depois que Kwon Young-se, seu indicado para ser o ministro da unificação, disse em sua audiência de confirmação que pressionaria por assistência humanitária para o Norte, incluindo tratamento COVID, seringas e outros suprimentos médicos.

Um porta-voz do Ministério da Unificação disse na sexta-feira que cerca de 95,4 bilhões de wons (US$ 74,1 milhões) de um fundo de cooperação inter-coreano foram destinados para facilitar os intercâmbios na área médica e de saúde.

Um porta-voz do Departamento de Estado dos EUA disse que não tem planos de enviar vacinas para a Coreia do Norte, mas apoiou os esforços internacionais para fornecer ajuda a pessoas vulneráveis, pedindo a Pyongyang que facilite esse trabalho. consulte Mais informação

Tópicos

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Desbloquear Notificações

Como desbloquear notificações

Na barra de endereço, clique no cadeado e em Notificações escolha a opção permitir, como na imagem abaixo

desbloqueio de notificação push

Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail