Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Firmino Filho indica que politização da pandemia está custando vidas

O prefeito de Teresina participou de videoconferência com a deputada federal Margarete Coelho nesta sexta-feira, 26 de junho

Compartilhe

Em videoconferência com a deputada federal Margarete Coelho (Progressistas) na sexta-feira, 26 de junho, o prefeito de Teresina Firmino Filho (PSDB) voltou a demonstrar seu posicionamento contrário à realização da eleição neste ano, e sinalizou que ela já está prejudicando as ações de enfrentamento à pandemia da Covid-19.

“Não é apenas a questão física, mas o fato de termos eleição esse ano, os temas deste ano já passam a ser politizados, vejo nas redes sociais candidatos expressando suas opiniões de forma demagógica, e eleitoreira para atrair mais votos”, disse.

De acordo com o líder municipal, a politização está prejudicando também o isolamento social, provocando mais óbitos pelo novo coronavírus. Para ele, o Brasil reagiu muito mal à pandemia, faltando um comando central para se articular junto aos Estados e municípios, no sentindo de construir uma estratégia única.

“Essa politização já está deteriorando o isolamento social, já está causando mais infecções, causando mais óbitos. O Brasil reagiu muito mal nesta crise pandêmica, não houve comando, por isso a crise foi enfrentada de forma descentralizada, faltou um comando central e sofremos muito com isso. A politização, a demagogia fácil, esse exército de candidatos que estão circulando nas redes sociais, isso provoca uma quebra de política, de comportamento e provoca muita dor”, pontuou.

Firmino Filho defendeu que a eleição ocorra apenas no ano que vem. Ainda na live (transmissão ao vivo) feita pela deputada Margarete Coelho nas redes sociais, o prefeito destacou a proposta da designação de um interventor até que o novo prefeito pudesse ser empossado. “Minha posição pessoal é discordante da maioria das pessoas; primeiro acho que o mandato não deve ser prorrogado, eventualmente se a eleição for ano que vem que se coloque um interventor na Prefeitura. O mandato é uma delegação muito expressa do eleitor, seria uma corrupção do eleitor. Segundo ponto, eu defendo que a eleição não fosse esse ano, seria uma deterioração desta pandemia que estamos vivendo, o processo eleitoral leva isso, acho que o ministro Barroso não deveria considerar a opinião só de epidemiologistas, mas também de cientistas políticos”, concluiu.

Reprodução


Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar