Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

A curta trajetória do papagaio mais inteligente da história

Com um método pioneiro e 30 anos de treino, o pássaro desenvolveu um cérebro semelhante ao de uma criança com quatro anos de idade

Compartilhe

No ano de 1977 Irene Pepperberg encontrou o papagaio Alex em uma loja de animais. Impossibilitado de voar, o papagaio-cinzento do Congo foi acolhido pela nova amiga, que o levou para uma pesquisa, buscando entender a comunicação dos pássaros.

O papagaio Alex disposto em frente a cubos coloridos para apontar quantidades - Wikimedia Commons 

A pesquisadora criou uma técnica onde uma instrução é dada ao animal de maneira responsiva com exemplos corretos e incorretos, interagindo durante toda a ação.

Nomeada ‘model/rival’, Irene posiciona um exemplo e um treinador para ensinar a ação e, em seguida, repete a ação trocando o exemplo pelo treinador, demonstrando que o processo realizado é de consentimento mútuo e que também pode ser feito pelo animal.

O processo deixou de ser um projeto paralelo e passou a ter prioridade no núcleo de pesquisas de psicologia animal assim que Alex apresentou um progresso significativo, com Irene chefiando as orientações.

Alex sendo alimentado para estimular o estudo / Crédito: Divulgação/YouTube/TwelveFloorsUp/06.10.2009 

Inicialmente contestada por parecer um processo decorado, a pesquisadora fez questão de provar que o animal desenvolveu uma inteligência e conseguiria interagir com qualquer pessoa que a solicitasse.

O resultado das lições

Ao longo de 30 anos, as ações de Alex se tornaram cada vez mais rápidas e responsivas, impressionando a equipe com o método pioneiro. O nome Alex, dado em referência ao acrônimo Avian Language EXperiment (experimento de linguagem aviária, em inglês), não condizia com o seu progresso, visto que Irene afirmou que o pássaro não usava a mesma comunicação que os humanos, mas sim, um código de comunicação bidirecional.

Mesmo não se comunicando de maneira complexa, ainda conseguiu desenvolver reconhecimentos notáveis; em 1999, quando uma pesquisa extensa sobre o método foi publicado, Alex já falava cerca de 150 palavras e reconhecia mais de 50 objetos diferentes, além de conseguir entender quantidades até seis. Com o auxílio de itens coloridos, o animal conseguia apontar qual cor era e quantos itens de tal cor estavam dispostos.

Quando posto em pegadinhas, como desafiado a reconhecer objetos falsos, o papagaio conseguia demonstrar surpresa e até raiva. O principal feito foi o desenvolvimento do bom-humor; além de imitar vários animais, seu raciocínio conseguiu criar uma piada quando uma maçã foi apresentada. Pelo fato de ser amarelada por dentro e vermelha por fora, chamou a fruta de “banerry”, uma mistura de banana com cherry (cereja, em inglês).

Os dias finais do bichano

Quanto mais aprendia, Alex se tornava ainda mais rápido para aprender mais coisas, já entendendo o conceito de ‘maior’ e ‘menor’, ‘igual’ e ‘diferente’ e progredindo no aprendizado da diferença entre ‘sobre’ e ‘sob’, respondendo os estímulos corretamente em mais de 80% das ocasiões.

Aos 31 anos, no entanto, Alex sofreu uma infecção causada por fungos, inicialmente não identificada pelos pesquisadores, visto que não acometeu o animal. Antes de dormir, na noite de 6 de setembro de 2007, falou as palavras que dizia todas as noites: “Seja bom, eu te amo. Até amanhã”, frase que aprendeu a decorar e reconhecer o sentido.

Na manhã seguinte, o papagaio faleceu, surpreendendo toda a equipe de psicologia, visto que a vida útil de sua espécie é de aproximadamente 45 anos. Com os aprendizados ao lado de Alex, Irene lançou um livro de memórias sobre o trabalho e relacionamento com o bichano, chamado “Alex e eu”, considerado um dos melhores livros de 2008 pelo New York Times. Hoje, Irene é professora em Harvard e tem a Alex Foundation, onde levanta fundos para novas pesquisas usando o mesmo método.


Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar