Estudo publicado na última quinta (28/7) na revista científica Plos One traz uma nova substância que poderá ser usada como anticoncepcional masculino. Pesquisadores da Universidade Monash, em Melbourne, na Austrália, descobriram que o extrato da folha da urtiga (Urtica dioica) tem potencial para impedir a locomoção dos espermatozoides.

Cientistas descobrem Anticoncepcional masculinoCientistas descobrem Anticoncepcional masculino

Em testes feitos com camundongos, a urtiga foi capaz de inibir o receptor purinérgico P2X1, uma das duas proteínas que desencadeiam o a movimentação dos espermatozoides.

“Em estudos de acasalamento de camundongos, o extrato de folhas de urtiga reduziu a fertilidade masculina em 53% em comparação com camundongos machos tratados com placebo. Os camundongos tratados exibiram comportamento normal de acasalamento. Bexiga e testículos pesavam menos em camundongos tratados com o extrato. Todos os outros órgãos e o peso corporal total não foram afetados”, explica o pesquisador Sabatino Ventura, um dos autores do estudo, citado pela emissora australiana 7 News.

Os cientistas da Universidade Monash estão trabalhando no desenvolvimento de um contraceptivo masculino sem hormônios e já haviam demonstrado que a infertilidade masculina pode ser alcançada geneticamente sem afetar a qualidade do esperma a longo prazo ou a saúde sexual do paciente.

Cientistas descobrem Anticoncepcional masculinoCientistas descobrem Anticoncepcional masculino

Como mostra a emissora, o estudo comprovou que um anticoncepcional masculino oral, sem hormônio, é viável e, agora, pretendem isolar o componente bioativo do extrato de urtiga ou criar um composto parecido.

Por enquanto, preservativos e vasectomia continuam sendo as únicas formas de contracepção acessíveis para os homens, colocando o ônus da prevenção da gravidez em grande parte nas mulheres.