Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Brasil perde 18 milhões de litros de sangue por causa de preconceito

Homossexuais só podem fazer doação sanguínea após um ano sem manter relações sexuais com outro homem.

Compartilhe
Google Whatsapp

De acordo com a ONU, para alcançar índices ideais de doação de sangue, é necessário que 3 a 5% da população de um país seja doadora. Porém, apenas 1,6% dos brasileiros doa sangue, segundo dados do Ministério da Saúde. Esse número poderia ser maior, se não fosse por um detalhe: no Brasil, homens homossexuais só podem fazer doação sanguínea após um ano sem manter relações sexuais com outro homem.

Embora cerca de 10% da população brasileira seja LGBT, os 12 meses de abstinência sexual são parte do conjunto de regras sanitárias que visam proteger o receptor da transfusão de possíveis infecções.

A situação já foi ainda mais grave: até 2004, homens que fazem sexo com homens (HSH) eram proibidos de doar sangue. A Portaria nº 2712, de 12 de novembro de 2013, seguindo a recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) e da Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS) sobre a restrição de HSH, estabelece que todas as amostras de sangue sejam analisadas e que os doadores sejam de baixo risco.

O Ministério da Saúde e a Anvisa reforçam que orientação sexual não deve ser usada como critério para selecionar doadores e que as regras não são discriminatórias. Enquanto isso, a restrição se mantém. A justificativa é de que homens que admitem transar com homens são “temporariamente inaptos”, uma vez que têm mais chances de serem portadores de uma doença infecciosa e de seus exames apresentarem resultados negativos, ainda que carreguem algum vírus.

A desconfiança dos resultados se dá por causa da janela imunológica no caso de infecção pelo vírus da aids. Entre o momento da infecção e a produção de marcadores detectáveis pelos testes de laboratório pode haver um intervalo de 14 a 30 dias. Como precaução, é recomendado aos os hemocentros que façam triagens, entrevistas e analisem as amostras de sangue de todos os doadores.

Tecnicamente, o critério de seleção deve recusar a prática sexual de risco e não a orientação sexual ou identidade de gênero. A contradição é aparente: a recusa do sangue doado por homens gays vai contra a noção de que as regras não excluem doadores de acordo com sua sexualidade.

Como protesto à situação, a All Out, um movimento global de defesa dos direitos LGBT, colocou em prática uma ação criada pela agência Africa em parceria com a Truckvan. Um caminhão circula por São Paulo com centenas de bolsas de sangue cenográfico que representam os 50 mil litros que os hemocentros do país deixam de receber diariamente e estampa a mensagem “O Brasil desperdiça mais de um caminhão cheio de sangue todo dia por puro preconceito”.

Países como Argentina, Chile e México já se atualizaram quanto aos seus procedimentos e aplicam as mesmas regras a doadores de qualquer orientação sexual. O maior país da América Latina, porém, não demonstra indícios de mudança.


Tópicos
Compartilhe
Google Whatsapp

veja também

Recomendamos

Localização

Definir a localização padrão

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Fique por dentro

Receba notícias quentinhas diretamente no seu whatsapp

Continuar

Falta pouco, agora escolha as categorias que deseja receber notícias

Aperte (ctrl + clique) para selecionar vários
Pronto!

Agora você passará a receber novidades diretamente no seu whatsapp.

Termos de uso

Texto

Política de privacidade

Texto

×