Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Cientistas criaram pele artificial que pode 'sentir' dor

A pele artificial com sensor de dor criada pelos pesquisadores do RMIT imita as vias nervosas do corpo humano que conectam a pele ao cérebro.

Compartilhe

Pesquisadores da RMIT University em Melbourne, Austrália, criaram uma pele artificial capaz de sentir e reagir à dor como a pele humana. A equipe tem metas elevadas para a inovação. Eles querem melhorar as próteses e os enxertos de pele, dando às pessoas a capacidade de sentir o ambiente.

 A equipe também sugere que a pele artificial pode “aumentar ou compensar a pele humana pelo desenvolvimento de humanóides realistas”. Recriar uma sensação tão complexa como a dor não é tarefa fácil. Embora ninguém queira sentir dor, é uma ferramenta sensorial extremamente útil que permite aos humanos navegar com segurança pelo mundo. Aqueles com membros protéticos perdem essa habilidade.

Protótipo (imagem: RMIT)

A pele artificial com sensor de dor criada pelos pesquisadores do RMIT imita as vias nervosas do corpo humano que conectam a pele ao cérebro.

“Estamos sentindo coisas o tempo todo através da pele, mas nossa resposta à dor só entra em ação em um determinado ponto, como quando tocamos algo muito quente ou muito afiado”, diz o pesquisador principal Madhu Bhaskaran . “Nenhuma tecnologia eletrônica foi capaz de imitar de forma realista aquela sensação de dor tão humana - até agora.”

O novo dispositivo é capaz de medir mudanças de pressão e temperatura (tanto calor quanto frio). Quando um certo limite é ultrapassado, a pele artificial reage como a pele humana. Os pesquisadores criaram três protótipos e cada um é responsável por sentir dor, temperatura ou pressão. Combinados, o trio é capaz de replicar as várias capacidades de detecção da pele humana.

Ataur Rahman, outro pesquisador da equipe, diz: “Embora algumas tecnologias existentes tenham usado sinais elétricos para imitar diferentes níveis de dor, esses novos dispositivos podem reagir à pressão mecânica real, temperatura e dor e fornecer a resposta eletrônica certa”.

“Isso significa que nossa pele artificial sabe a diferença entre tocar suavemente um alfinete com o dedo ou esfaquear-se acidentalmente com ele - uma distinção crítica que nunca foi alcançada eletronicamente antes”, acrescenta.

É importante ressaltar que o dispositivo é capaz de transmitir sinais na mesma velocidade quase instantânea que os nervos do corpo humano.

Próteses Vivas

Essa descoberta pode ter implicações enormes tanto para a saúde quanto para a robótica. Este último se beneficiaria de sensores capazes de detectar quando os bots estão em perigo, permitindo que eles reajam de acordo . Como a pele artificial pode se comunicar eletronicamente com um robô, não será difícil projetar esse tipo de aplicação.

A interface da pele artificial com o sistema nervoso humano é mais desafiadora. Dito isso, a base necessária para fazê-lo já está presente. Bhaskaran diz: “Precisamos de mais desenvolvimento para integrar esta tecnologia em aplicações biomédicas, mas os fundamentos - biocompatibilidade, elasticidade semelhante à da pele - já estão lá”.

Sensores de pele artificial provavelmente não existirão no mundo real por algum tempo. Isso não torna o progresso da equipe RMIT menos significativo. Seus dispositivos ajudarão a pavimentar o caminho para próteses e enxertos de pele mais inteligentes no futuro.


Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar