Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Cientistas descobrem primeiro cometa com aurora própria; entenda

Fenômeno observado no cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko nunca havia sido registrado em corpos celestes que não fossem planetas e luas

Compartilhe

Dados obtidos pela missão Rosetta da Agência Espacial Europeia (ESA) revelaram que o cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko tem sua própria aurora ultravioleta. Em um estudo publicado na segunda-feira (21) na Nature Astronomy, os astrônomos responsáveis pela descoberta contam que essa é a primeira vez que o fenômeno é observado em um objeto celeste que não seja um planeta ou uma lua.

"O brilho em torno do 67P/C-G é único", disse Marina Galand, líder do estudo, em declaração. "Ao pesquisar dados de vários instrumentos da Rosetta e ligá-los, descobrimos que esse brilho é auroral por natureza: é causado por uma mistura de processos, alguns vistos nas luas de Júpiter, em Ganimedes e Europa, e outros na Terra e em Marte."

Cometa (Foto: Esa)

Elétrons provenientes do Sol interagem com o gás ao redor do cometa, separando a água das outras moléculas. Os átomos resultantes emitem uma luz ultravioleta distinta, que é invisível a olho nu, e tem o comprimento de onda de radiação mais curto do espectro ultravioleta.

"Esses elétrons interagem com as moléculas [ao redor do cometa] para produzir o brilho auroral. O processo pelo qual os elétrons são acelerados é semelhante a alguns dos processos que impulsionam as auroras na Terra e em Marte, apesar de 67P/C-G não ter um campo magnético intrínseco", explicou Galand. "Na verdade, os ambientes magnéticos das luas, planetas e cometas são todos muito diferentes, por isso é emocionante e intrigante vermos auroras em todos eles."

Explorar o fenômeno no cometa permitirá aos cientistas aprender como as partículas do vento solar mudam ao longo do tempo, algo que é crucial para a compreensão do clima espacial em todo o Sistema Solar. Como explicam os cientistas, ao fornecer dados sobre como a radiação do Sol afeta o ambiente espacial pelo qual viajam, essas informações podem ajudar a proteger satélites e espaçonaves, bem como astronautas viajando para a Lua e Marte.

“As auroras são inerentemente emocionantes e essa empolgação é ainda maior quando vemos uma em algum lugar novo ou com novas características", acrescentou Matt Taylor, coautor do artigo. "Essa análise reúne mais peças do quebra-cabeça em nossa compreensão das auroras em todo o Sistema Solar e dos vários fenômenos que vemos em torno dos cometas."


Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar