mais
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore

Como está hoje o país "mais feliz do mundo"

Apesar dos eventos devastadores dos últimos 12 meses e do declínio resultante na saúde mental em vários destinos, não houve mudança no primeiro lugar quando se trata de classificar o país mais feliz do mundo.

Dizer que o ano passado foi difícil para as pessoas em todo o mundo é um eufemismo. A pandemia Covid-19 não apenas resultou na morte de mais de 2,6 milhões de pessoas em todo o mundo, mas também causou uma grande sacudida na vida cotidiana de muitos de nós.

Mas, apesar dos eventos devastadores dos últimos 12 meses e do declínio resultante na saúde mental em vários destinos, não houve mudança no primeiro lugar quando se trata de classificar o país mais feliz do mundo.

Finlândia (Foto: reprodução)Finlândia (Foto: reprodução)

Pelo quarto ano consecutivo, a Finlândia ficou no topo da lista anual com base nos dados do Gallup World Poll, com Islândia, Dinamarca, Suíça e Holanda na segunda, terceira, quarta e quinta posições, respectivamente.

Enquanto os Estados Unidos subiram da 18ª para a 14ª posição e o Reino Unido caiu da 13ª para a 18ª posição, a Austrália manteve a sua 12ª posição.

"Precisamos aprender urgentemente com a Covid-19", disse o co-editor do relatório Jeffrey Sachs, professor e diretor do Centro para Desenvolvimento Sustentável da Universidade de Columbia.

"A pandemia nos lembra de nossas ameaças ambientais globais, a necessidade urgente de cooperar e as dificuldades de alcançar a cooperação em cada país e globalmente."

É importante notar que o Relatório de Felicidade Mundial 2021 foi compilado de forma um pouco diferente desta vez devido ao coronavírus.

Os pesquisadores não só não conseguiram realizar entrevistas cara a cara em vários países, como também tiveram que mudar totalmente as coisas, concentrando-se na relação entre o bem-estar e a Covid-19.

O relatório foi baseado principalmente nos níveis de PIB, expectativa de vida, generosidade, apoio social, liberdade e renda de corrupção desde que foi lançado em 2012.

Embora tenha havido algumas mudanças no top 10, com a Islândia subindo duas posições do quarto para o segundo na lista e a Noruega caindo do quinto para o oitavo lugar, as classificações foram muito semelhantes às do ano anterior em sua maior parte, o que é visto como um sinal positivo.

Austri completou o top 10 (Foto: reprodução)Austri completou o top 10 (Foto: reprodução)

"Surpreendentemente, não houve, em média, um declínio no bem-estar quando medido pela avaliação das próprias pessoas sobre suas vidas", disse o professor da Universidade de British Columbia, John Helliwell, que também contribuiu para o relatório.

"Uma possível explicação é que as pessoas veem a Covid-19 como uma ameaça externa comum que afeta a todos e que isso gerou um maior senso de solidariedade e solidariedade."

Outros movimentos notáveis na lista incluem a Alemanha, que saltou da 17ª para a sétima posição no ano passado.

A Croácia, que era um dos destinos onde as entrevistas pessoais puderam ser realizadas, subiu do número 79 para o 23 na lista.

Shutterstock

Os pesquisadores dizem que não é nenhuma surpresa que a Finlândia tenha mantido a posição de liderança mais uma vez, já que o país nórdico sempre teve uma classificação elevada quando se trata de confiança mútua.

A confiança é reconhecida como um dos principais fatores que ajudaram a proteger as pessoas durante a pandemia, assim como a confiança nos governos.

Por exemplo, a taxa de mortalidade no Brasil era significativamente maior do que a de Cingapura, um fato que o relatório atribuiu parcialmente à diferença na confiança pública nos governos de cada país.

Ele também observa que as Américas e a Europa tiveram muito mais fatalidades por Covid-19 do que o Leste Asiático, Australásia e África.

O relatório sugere que a idade média da população de um país, seja uma ilha, e sua proximidade de outros países altamente infectados foram fatores que contribuíram para a disparidade entre as taxas de mortalidade em todo o mundo.

Curiosamente, diferenças culturais, como saber se o chefe do governo era uma mulher, também são consideradas considerações significativas ao medir o sucesso das estratégias da Covid-19, juntamente com a desigualdade de renda e o conhecimento obtido em epidemias anteriores.

"A experiência do Leste Asiático mostra que políticas governamentais rigorosas não apenas controlam a Covid-19 com eficácia, mas também amortecem o impacto negativo das infecções diárias na felicidade das pessoas", disse o professor colaborador Shun Wang do Instituto de Desenvolvimento da Coreia.

Embora os lançamentos de vacinas bem-sucedidos em vários países tenham proporcionado um impulso muito necessário para muitos, bloqueios, distanciamento social, coberturas de rosto e restrições de viagens são parte integrante de viver com o vírus, e isso sem levar em conta as implicações econômicas.

Como resultado, o relatório descobriu que o declínio na saúde mental foi imediato em muitos países, incluindo o Reino Unido, onde o número de problemas de saúde mental relatados foi 47% maior em maio de 2020 do que o previsto antes de Covid-19.

Talvez sem surpresa, o Relatório de Felicidade Mundial 2021 também descobriu que bloqueios e distanciamento social impactaram tremendamente o bem-estar da força de trabalho.

De acordo com os dados coletados, aqueles que não puderam trabalhar por motivo de folga ou demissão que disseram estar sozinhos no início da pandemia ficaram 43% menos felizes do que aqueles que não se sentiam solitários no início.

"Minha pesquisa anterior mostrou como trabalhadores felizes são 13% mais produtivos", disse o professor Jan-Emmanuel De Neve, diretor do Centro de Pesquisa de Bem-estar da Universidade de Oxford, outro colaborador do relatório.

“Este artigo prova que a felicidade não é impulsionada pelo pagamento, e que as conexões sociais e um senso de identidade são mais importantes.

"Essas descobertas apontam para um futuro 'híbrido' de trabalho, com um equilíbrio entre a vida no escritório e trabalhar em casa para manter as conexões sociais e, ao mesmo tempo, garantir flexibilidade para os trabalhadores."

Dos 149 países apresentados no relatório, o Afeganistão foi classificado como o mais infeliz mais uma vez, seguido por Zimbábue, Ruanda e Botswana.

Tópicos

comentários

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Desbloquear Notificações

Como desbloquear notificações

Na barra de endereço, clique no cadeado e em Notificações escolha a opção permitir, como na imagem abaixo

desbloqueio de notificação push

Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail