Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Espécie de musaranho é vista pela 1ª vez em 52 anos na África

Foi quase um milagre descobrir que o animal não estava extinto na região

Compartilhe

O pequeno mamífero que se alimenta de insetos não era visto há mais de 50 anos, mas finalmente apareceu na África Oriental. Os investigadores conseguiram as primeiras fotografias e vídeos da espécie na natureza. Sengis são um grupo de adoráveis pequenos mamíferos que se parecem com ratos, mas na verdade são mais parentes dos elefantes, peixes-boi e porcos-formigueiro.

Como tal, são frequentemente chamados de musaranhos-elefante. A sua característica mais marcante é o nariz semelhante a um tronco, que usam para caçar insetos. Embora a maioria das espécies de sengi sejam comuns, o sengi somali tem sido impossível de rastrear nas últimas décadas. Na verdade, a criatura não é vista viva desde 1968 e é mais conhecida por um punhado de espécimes em museus.

Musaranho-elefante (divulgação)

Essa elusividade rendeu-lhe um lugar na lista da Global Wildlife Conservation das 25 espécies perdidas mais procuradas – animais, insetos e plantas que foram perdidos para a ciência. A organização lança expedições para investigar se essas espécies ainda estão vivas na natureza e, em caso afirmativo, determinar que tipo de proteção elas podem precisar.

Para esta expedição, a equipe viajou para Djibouti, país da África Oriental, onde dicas de moradores locais sugeriram que o sengi somali ainda estava vivo. Na paisagem rochosa e seca que as criaturas chamavam lar, a equipe colocou 1.259 armadilhas em 12 locais diferentes, com iscas de alimentos.

Para sua surpresa, os investigadores apanharam um sengi somali na primeira armadilha que prepararam. Esta espécie distingue-se dos outros parentes próximos por um pequeno tufo de pêlo na sua cauda.

“Foi incrível”, diz Steven Heritage, principal autor do estudo. “Quando abrimos a primeira armadilha e vimos o pequeno tufo de cabelo na ponta da cauda, apenas olhámos um para o outro e não podíamos acreditar. Uma série de investigações desde a década de 1970 não encontrou o sengi somali em Djibouti – foi um acaso que aconteceu tão rapidamente para nós. ”

A equipe viu 12 sengis no total, capturando as primeiras fotos e vídeos de sengis somalis vivos. No final da expedição, a equipa foi capaz de fazer uma avaliação do status da espécie – eles concluíram que os sengis somalis não parecem estar sob nenhuma ameaça em particular e são bastante abundantes em Djibuti, Somália e talvez até na Etiópia. Como tal, a equipa recomendou que a sua entrada na Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da IUCN seja atualizada para “Menos Preocupação”.

“Normalmente, quando redescobrimos espécies perdidas, encontramos apenas um ou dois indivíduos e temos que agir rapidamente para tentar evitar a sua extinção iminente”, diz Robin Moore, líder do programa de Busca por Espécies Perdidas do GWC. “Esta é uma redescoberta bem-vinda e maravilhosa durante uma época de turbulência para o nosso planeta, e que nos enche de esperança renovada para as espécies de pequenos mamíferos restantes na nossa lista de mais procurados, como a toupeira dourada de DeWinton, um parente do sengi, e o cloudrunner da Ilha Ilin. ”


Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar