Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Estudante tem auxílio negado por ser “presidente da República”

Embora já tenha buscado respostas com os órgãos responsáveis, ela segue sem saber o que motivou o erro

Compartilhe

Desempregada e moradora de uma casa simples em Jabaeté, na periferia de Vila Velha, no Espírito Santo, a estudante Adeyula Barbosa, de 31 anos, teve o pedido de auxílio emergencial negado após a Carteira de Trabalho Digital apontar que ela tem dois empregos em aberto. Não bastasse a surpresa, em um dos contratos, a capixaba descobriu que ocupa o cargo de "presidente da República" pela Secretaria de Estado da Educação (Sedu).

Embora já tenha buscado respostas com os órgãos responsáveis, a estudante segue sem saber o que motivou o erro.

O último emprego formal de Adeyula foi como cuidadora em uma escola da rede estadual do Espírito Santo. O contrato foi encerrado em agosto do ano passado.

Veja também

ver mais de "coronavírus"

Com dois filhos, de 11 e sete anos, ela recorreu ao auxílio para conseguir arcar com as despesas de casa e com as mensalidades do curso de Gestão em Recursos Humanos.

O marido está empregado, mas teve o salário reduzido e benefícios cortados, por causa da crise causada pelo coronavírus.

“Eu consultei o auxílio emergencial, fiz o cadastro no dia 7 de abril. Cerca de 20 dias depois, veio a negativa. Estava lá algo como ‘cidadão com emprego formal’, como se eu estivesse trabalhando”, explicou.

Sem entender o que tinha acontecido, a estudante buscou respostas através da internet e acabou descobrindo a confusão com os cargos.

“Eu comecei a pesquisar o que significavam aquelas siglas. Consegui consultar a Rais (Relação Anual de Informações Sociais), depois resolvi baixar a Carteira de Trabalho Digital, para saber se estava com o mesmo problema. Lá, estava a ocupação de ‘presidente da República’. Fiquei espantada. Como? Uma cuidadora escolar que não tem nada a ver com o presidente da República. Não tinha lógica aquilo. Não imaginava um erro desse”, disse.

O sentimento de espanto se espalhou pelos familiares de Adeyula. "Vai dormir a minha filha, simples assim, e, do nada, acorda presidente do Brasil. É um tanto curioso", disse a mãe, a aposentada Roseni Dias.

Além do registro com o cargo mais alto do país, o segundo vínculo em aberto é de auxiliar de secretaria pela Prefeitura de Vila Velha, onde Adeyula atuou antes de 2019.

Os equívocos acabam gerando um erro para a base de dados usada pelo Governo Federal para avaliar quem pode receber o benefício ou não.

‘Situação cômica, mas triste’

Apesar de a situação ser vista com humor por algumas pessoas, Adeyula lamenta ter sido vítima desse tipo de erro, que custou o saque do benefício.

“É uma situação cômica, mas, se for olhar, é triste. Eu estou precisando do auxílio emergencial e, por causa de erro, de falta de atenção na hora de lançar o cadastro, gerou todo esse problema para a minha vida. A gente ri, mas a nossa realidade é outra, dá vontade de chorar diante disso”, disse.

Respostas

Questionado, o superintendente de Trabalho e Emprego no Espírito Santo, Alcimar Candeias, disse que o erro é do contratante, neste caso, a Sedu.

Houve um erro quando a secretaria não informou a demissão da funcionária e outro ao inserir, equivocadamente, o código do cargo de presidente da República na ocupação da trabalhadora.

A orientação é que Adeyula procure o setor de Recursos Humanos da Sedu pra resolver. Candeias disse que a Superintendência do Trabalho está à disposição pra ajudar a consertar o erro.

A Secretaria da Educação, por sua vez, informou que os servidores são cadastrados em um sistema própria da secretaria e que, nesse sistema, o cargo dela está como cuidadora.

A Sedu também disse que, mesmo assim, vai ajudar a ex-servidora a corrigir o erro junto ao Ministério da Economia.

Sobre o cargo em aberto em Vila Velha, a Prefeitura explicou que os desligamentos dos servidores em 2020 ainda serão informados ao Ministério da Economia.

Sobre os desligados em 2019, a Prefeitura disse que as movimentações foram enviadas em 14 de abril de 2020.


Tópicos
Compartilhe

veja também

Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar